Cuidadores reivindicam e Prefeitura mantém abrigo para gatos na Colônia de Piatã até retirada completa dos animais

Cuidadores criticaram a retirada das casinhas dos gatos antes mesmo que todos os felinos fossem realocados para os lares de acolhimento

Por Bruna Ferraz
02/04/2024 às 18h51
  • Compartilhe
Foto: Reprodução/Instagram/@coloniadegatospiata71992347625
Foto: Reprodução/Instagram/@coloniadegatospiata71992347625

Na manhã desta terça-feira (2), a Prefeitura de Salvador iniciou o processo de retirada dos gatos que viviam na colônia, no bairro de Piatã. Segundo a gestão municipal, a Organização Não-governamental (ONG) Doce Lar vai abrigar cerca de 300 felinos que foram abandonados no local.

O processo de realocação desses animais, contudo, passou por uma polêmica envolvendo a retirada das casinhas dos felinos. Em um vídeo publicado na conta oficial de cuidadores que atuam na Colônia de Gatos de Piatã, uma das voluntárias afirmou que a Prefeitura de Salvador estava retirando todas as casinhas antes mesmo de realocar todos os bichos.

"Cheguei agora, fui em casa buscar o almoço do pessoal que ajuda... tiraram as casinhas todas, dos bichinhos. Vai chover, não sei como é que vai ser! Levaram não sei quantos [gatos], em quantidade. Tem trezentos, mas devem ter levado uns cem gatos", disse dona Sônia.

O responsável por gravar a cuidadora afirmou que antes do início da retirada dos gatos da colônia, houve um diálogo com a Secretaria Municipal de Sustentabilidade e Resiliência (Secis). Nesta conversa, segundo ele, ficou acordado que as casas seriam retiradas apenas após o acolhimento de todos os felinos. A preocupação dos cuidadores era que os animais restantes fiquem expostos à chuva que pode cair ao longo desses dias, segundo aponta a previsão do tempo para a capital baiana.

De acordo com os voluntários que costumam cuidar dos felinos na colônia de Piatã, a chuva que atingiu Salvador na madrugada desta terça-feira (2) foi responsável por afugentar boa parte dos animais que ali ficavam. Isso, segundo eles, fez com que o processo de acolhimento dos gatos não fosse satisfatório, já que muitos não estavam ali na chegada dos agentes responsáveis pela transferência.

Após o questionamento, Patruska Barreiro, uma voluntária envolvida no cuidado dos gatos da colônia de Piatã, afirmou que a Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), se disponibilizou a retornar com as casinhas para que os gatos restantes não ficassem desabrigados até a finalização do processo de retirada deles das ruas.

"Eu tenho que agradecer. A gente dá a Cezar o que é de Cezar. O pessoal da Limpurb ouviu o nosso apelo pessoalmente, pedindo para que o caminhão com as casinhas retornasse para que dona Sônia visse quais são as casinhas", disse Patruska em um vídeo publicado no Instagram.

Realocação dos animais

Segundo havia informado Marcelle Moraes, titular da Secis, está sendo realizada uma operação conjunta para a retirada dos animais do local. Fazem parte da ação a Secretaria de Manutenção (Seman), a Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), a Guarda Civil Municipal, a Superintendência de Trânsito (Transalvador) e a Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Desal).

A secretária também havia destacado que, a partir desta terça-feira, guardas municipais farão o monitoramento 24 horas do local para evitar novos abandonos.

*Procurada pela equipe do Portal M!, até o fechamento desta reportagem, a Secis ainda não se pronunciou sobre o andamento do processo de mudança dos felinos.

Leia também:

Prefeitura inicia retirada de gatos de colônia em Piatã