Consumo de eletricidade sobe 8% em fevereiro, quarta maior alta desde 2004, afirma EPE

Classe residencial continua sendo o principal destaque pelo quinto mês consecutivo, com alta de 11% no consumo de energia elétrica

Por Estadão Conteúdo
30/03/2024 às 14h30
  • Compartilhe
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O consumo de energia elétrica deu mais um salto em fevereiro, de 8% em relação há um ano, atingindo 46.314 gigawatts-hora (GWh), informa a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Este foi o quarto maior consumo mensal de toda a série histórica desde 2004, puxado principalmente pelas altas temperaturas e maior número de dias do mês bissexto.

A classe residencial continua sendo o principal destaque pelo quinto mês consecutivo, com alta de 11% no consumo de energia elétrica, enquanto na indústria subiu 6,5% e no comércio 8,8%.

O crescimento do mercado livre foi de 11,5%, enquanto o mercado cativo (distribuidoras) teve expansão de 5,8%. O resultado reflete as migrações já previstas para 2024 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), após a portaria que ampliou a possibilidade de migração a todos consumidores de média e alta tensão.

"O mercado livre, com 18.466 GWh, respondeu por 39,9% do consumo nacional de energia elétrica em fevereiro, com crescimento de 11,5% no consumo e de 32,2% no número de consumidores, na comparação com fevereiro de 2023", informou a EPE. O Nordeste foi a região que mais expandiu o consumo (+15,4%) e o número de consumidores (+44,2%).

Mesmo com o avanço do mercado livre, as distribuidoras apresentaram em fevereiro alta de 1,4% no número de unidades consumidoras. O mercado cativo ainda detém 60,1% do abastecimento de energia elétrica, ou 27.847 GWh. A região Norte registrou a maior expansão do consumo, de 17,9%, enquanto o Nordeste liderou com 2,6% o aumento do número de consumidores.

Indústria

Com 15.546 GWh, o consumo industrial de eletricidade avançou em fevereiro, com todas as regiões registrando elevação no consumo: Sul (+8,9%), Nordeste (+8,0%), Sudeste (+6,2%), Centro-Oeste (+6,0%) e Norte (+1,1%). Apenas 5 dos 37 setores monitorados da indústria retraíram seus consumos na comparação com fevereiro de 2023. O consumo nos setores não eletrointensivos expandiu 10,5% na média, acima da expansão de 6,5% da indústria, enquanto nos eletrointensivos expandiu 5,4%.

Todos os dez setores mais eletrointensivos consumiram mais, destaque para: metalurgia (+5,9%), puxada pela cadeia do alumínio primário, mas com contribuição da alta na produção siderúrgica; fabricação de produtos alimentícios (+6,3%), beneficiada pela alta no consumo das famílias e exportações; e extração de minerais metálicos (+10,2%), puxado pelas exportações de minério de ferro.

Residências

O consumo de eletricidade nas residências foi de 15.202 GWh, o terceiro maior de toda série histórica desde 2004, ficando atrás apenas dos dois meses anteriores.

"O oitavo mês consecutivo com temperaturas acima da média histórica e ondas de calor no País puxaram a expansão do consumo em fevereiro", explicou a EPE, ressaltando o aumento do número de vendas de ar condicionado e ventiladores desde o início das ondas de calor, no segundo semestre do ano passado, além do avanço no emprego e renda, que também contribuíram para a elevação do consumo.

Todas as regiões e Estados elevaram seus consumos no mês. As regiões Centro-Oeste (+12%) e Norte (+11,8%) se destacaram, seguidas pelo Nordeste (+8,9%), Sudeste (+7,2%) e Sul (+6,1%). Treze Estados tiveram aumento de dois dígitos, destaque para Amapá (+37,5%).

Comercial

O consumo de eletricidade da classe comercial ampliou em 8,8% em fevereiro de 2024 contra igual mês de 2023, chegando a 8.895 GWh O consumo reduziu em relação a dezembro e janeiro, porém, o valor foi o terceiro maior já registrado de toda a série histórica da EPE.

"Espera-se que o consumo comercial também esteja majorado pelo fevereiro mais longo este ano, porém este efeito é de difícil estimação. O consumo foi influenciado pelas temperaturas acima da média, pelo bom desempenho do setor de comércio e serviços e pela adição na base de consumidores comerciais", explicou a autarquia ligada ao Ministério de Minas e Energia (MME).

A região Norte (+15,4%) foi a que mais expandiu, seguida pelo Sudeste (+9,4%), Centro-Oeste (+8,4%), Sul (+7,5%) e Nordeste (+6,7%). Entre os Estados, destaques para o Amapá (+36,0%).

 

Leia também:

Bandeira tarifária permanece verde em abril, sem adicional nas contas de luz, informa Aneel

Governo publica medida provisória que prorroga Desenrola até 20 de maio

Taxa de desemprego fica em 7,8% no trimestre até fevereiro, revela IBGE