"Não cabem invisíveis no Carnaval da pluralidade", diz Carlos Muniz

Presidente da Câmara afirma que a Casa vai promover debates sobre cordeiros e catadores de latinha

Por Redação
11/02/2024 às 20h25
  • Compartilhe
Foto: Ana Cristina Barreto/Câmara Municipal de Salvador
Foto: Ana Cristina Barreto/Câmara Municipal de Salvador

O presidente da Câmara Municipal de Salvador, vereador Carlos Muniz (PSDB), afirmou, neste domingo (11), no Observatório da Câmara Municipal de Salvador no Carnaval, que não cabem invisíveis na festa momesca e na cidade da pluralidade. 

"Não existe um apartheid. Há os que vão aos camarotes, aos blocos e o folião pipoca. Todos se divertem na maior festa de rua do mundo", disse. 

Carlos Muniz pontuou que o Legislativo de Salvador vai promover debates e proposições no que tange à dignidade para o trabalho dos cordeiros e catadores de latinhas e outros materiais recicláveis durante a folia momesca.  

Observatório 

No último dia 8, Carlos Muniz inaugurou o Observatório da Câmara Municipal de Salvador no Circuito Osmar, no Campo Grande, onde recebeu profissionais de imprensa. "O observatório está cumprindo seu papel de pensar sugestões para os próximos carnavais", frisou o presidente.

"A nossa presença aqui no observatório é também para olhar atentamente para os que parecem passar como invisíveis no Carnaval", afirmou.

No sábado (10), o observatório teve como convidados os servidores da Câmara Municipal de Salvador. "Foi uma forma de valorizarmos, de forma inédita, os aguerridos colaboradores da Casa. Afinal, eles são o corpo da Câmara de Salvador, com sua dedicação,  comprometimento e doação", avaliou Muniz.

 

Leia também:

Arnando Lessa busca reeleição e aposta em nova presidência de Muniz

"É o tapete branco trazendo a mensagem de unidade e de paz", diz Jerônimo no cortejo dos Filhos de Gandhy

Postos de acesso à Barra foram fechados no sábado por conta de superlotação, explica Bruno Reis