Vendas do varejo na Bahia devem registrar melhor resultado para dezembro desde 2020, aponta Fecomércio-BA

Segundo a entidade, o varejo do estado deverá alcançar R$ 14,3 bilhões em vendas no último mês do ano

Por Redação
05/12/2023 às 13h13
  • Compartilhe
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

As projeções da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo e Fecomércio-BA (CNC) confirmam o cenário positivo diante das expectativas sobre os resultados do comércio para dezembro, o mês mais aguardado do calendário festivo.

Segundo a entidade, o varejo do estado deverá alcançar R$ 14,3 bilhões em vendas no último mês do ano - um incremento de 3,7% ou R$ 510,2 milhões a mais em relação a dezembro de 2022.

"Por uma questão técnica, o resultado não reflete especificamente o desempenho do Natal, mas do mês inteiro de dezembro, pois não é possível fazer a distinção da compra habitual e do evento. No entanto, dada a relevância da data comemorativa para o mês, é natural haver o raciocínio de que o resultado do Natal tende a acompanhar o que acontecerá ao longo de dezembro", destaca o consultor econômico da Federação, Guilherme Dietze.

E se confirmado, espera-se que o faturamento acumulado do setor em 2023 atinja a casa dos R$ 144,3 bilhões, crescimento de 0,6% em comparação com o resultado obtido ao longo de 2022.

A alta do mês deverá ser acompanhada por oito das nove atividades que fazem parte do comércio varejista, segundo estimativa da Fecomércio-BA. Os grandes destaques do mês deverão ser as Farmácias e Perfumarias com variação anual de 11%, o segmento de Veículos, Motos e Autopeças, com alta de 7,8%, as lojas de Eletrodomésticos e Eletrônicos, com aumento de 6,3% e os Supermercados, com elevação de 5% em relação ao ano anterior.

O segmento de Farmácias e Perfumarias obteve resultados históricos em 2023, registrando recordes de receita ao longo do ano. Os investimentos em digitalização, eficiência operacional, a introdução de novos serviços e a expansão dos pontos comerciais têm contribuído significativamente para o notável desempenho do setor.

Para dezembro, a expectativa é de alcançar R$ 955,4 milhões em vendas - alta de 11% em relação ao ano anterior e segundo melhor resultado mensal de 2023, ficando atrás apenas de maio quando o faturamento atingiu R$ 962,3 milhões, impulsionado pelo evento do Dia das Mães.

Seguindo a tendência de alta, a venda de Veículos, Motos, Partes e Peças deve movimentar R$ 2,48 bilhões em dezembro, resultando em expansão de 7,8% na comparação com o ano anterior. Consolidado como o segundo setor mais robusto do varejo baiano em termos de receita, as vendas de automóveis e autopeças apresentaram resultados positivos ao longo de 2023 e devem manter essa tendência no último mês do ano.

"O avanço é motivado não apenas pelo aumento na procura por automóveis e motocicletas, comum nessa época do ano, mas também em decorrência da necessidade de revisão e manutenção dos veículos para as viagens de fim de ano e das férias escolares", salienta Dietze.

No mesmo sentido, espera-se bons resultados para as lojas de eletrodomésticos e eletroeletrônicos na Bahia. O setor que tradicionalmente recebe maior atenção durante último bimestre do ano, impulsionado pela Black Friday e pelo Natal, espera aumentar seu faturamento em 6,3% com relação a dezembro de 2022 e encerrar o último mês do ano com R$ 660,4 milhões em vendas - melhor resultado para dezembro desde 2020.

E a expectativa de aumento nos encontros e eventos presenciais traz boas perspectivas para o setor Supermercadista - o mais importante segmento do varejo em termos de faturamento. Com projeção de faturamento 5% maior do que o ano passado, as vendas do setor deverão atingir a casa de R$ 5,8 bilhões em dezembro e representar aproximadamente 40% da receita total do comércio.

Importante ressaltar que as vendas de móveis e decoração (4,7%), materiais de construção (3,6%) e vestuário, tecidos e calçados (0,4%) também deverão alcançar resultados superiores ao ano passado, com projeção de alta de 4,7%, 3,6% e 0,4%, respectivamente, na comparação anual. Mas os resultados deverão causar menor impacto sobre o faturamento total do varejo no período.

E em sentido oposto, o segmento de Outras Atividades deverá ser o único a registrar retração de faturamento em relação a dezembro de 2022. Acredita-se que o resultado esteja associado à retração nas vendas e ao encerramento de estabelecimentos voltados para a comercialização de artigos pet, artigos esportivos, joalherias, entre outros. "Embora a venda de combustíveis e lubrificantes represente a principal parcela de faturamento do segmento, o desempenho dessas atividades não deve ser a causa da retração esperada, dado os recentes reajustes no preço dos combustíveis e a demanda aquecida", relata o economista.

Dietze pontua que, "o ambiente econômico mais favorável, caracterizado pelo crescimento do emprego, inflação controlada e queda dos juros tem gerado boas expectativas para o encerramento do ano, refletido nas intenções de consumo das famílias, que em novembro, apresentou alta de 20,5% na comparação anual".

No mesmo sentido, vêm sendo observadas frequentes reduções no nível de inadimplência na região. Só em Salvador, houve 13 quedas consecutivas no número de famílias inadimplentes. "E, com o início da segunda fase do Desenrola Brasil, aumenta a expectativa de que um número maior de pessoas aproveite os incentivos oferecidos pelo programa para renegociar ou quitar dívidas comuns à maioria das famílias, como financiamentos educacionais ou de habitação. Nos últimos meses, a iniciativa tem gerado resultados positivos, proporcionando às pessoas a oportunidade de reestruturar suas finanças, retomar o acesso ao mercado de crédito e, consequentemente, contribuir para um ambiente econômico mais estável", cita Dietze.

Por fim, a expansão do emprego e a injeção de recursos provenientes do 13º salário deverão acelerar o ritmo da atividade econômica no último mês do ano. Tal impulso é motivado pelo aumento da resiliência financeira da população, resultado da recomposição de renda das famílias e das melhores condições no mercado de crédito.

"Portanto, após três anos carregados de incertezas, o empresariado baiano tem, enfim, motivos para celebrar a chegada do Natal e projetar bons resultados para 2023. Espera-se ainda que essa melhora nas expectativas alavanque a criação de vagas temporárias e impulsione os resultados, proporcionando um cenário ainda mais promissor para o próximo ano", salienta o consultor econômico da Fecomércio-BA, Guilherme Dietze.