Mercado imobiliário baiano apresenta resultados melhores que a média nacional

Números do último trimestre foram apresentados em reunião da Ademi-BA na última quarta-feira (29)

Por Redação
04/12/2023 às 14h43
  • Compartilhe
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Bahia está à frente da média nacional nos principais indicadores do mercado imobiliário do último trimestre. Os números foram apresentados para construtoras, imobiliárias e profissionais associados da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (ADEMI-BA). 

Para o presidente da ADEMI-BA, Cláudio Cunha, os números superaram as expectativas para o período. "Fico feliz em ver que isso é fruto do profissionalismo, segurança e estabilidade que o mercado imobiliário baiano oferece para a sociedade. Estamos confiantes de que 2024 será ainda melhor".

De acordo com os dados analisados de Salvador e Região Metropolitana, os resultados de janeiro a setembro trouxeram números positivos nos lançamentos dos empreendimentos (+ 12,5%), número de unidades lançadas (+7,7%) e VGV de R$ 2,96 bilhões (+ 42,7%) quando comparado ao mesmo período de 2022.

Na média nacional, houve queda de -16% no número de lançamentos e -3% em vendas, em relação ao mesmo período de 2022. A pesquisa foi realizada pela BRAIN Inteligência Estratégica, empresa contratada para analisar as informações.

No terceiro trimestre (julho a setembro), a Bahia mostrou crescimento de 9,2% em unidades lançadas, VGV de R$ 903 milhões (+18%) e 0% de empreendimentos lançados, dados comparados ao mesmo período de 2022. Já na média nacional, houve queda de -20,3% em lançamentos e crescimento de 4,2% em vendas.

Os imóveis e tipologias luxo e alto padrão tiveram maior absorção e apresentam menor disponibilidade (4,8% e 8,7%, respectivamente), com destaque para o cluster 03 (Caminho das Árvores), que apresentou uma absorção ainda maior do que a média da cidade para esses padrões.

Já as tipologias standard, com maior número de lançamentos, são as que apresentam alta disponibilidade na cidade (26,5%), com destaque para o cluster 2 (Rio Vermelho com disponibilidade ainda maior do que a média da cidade, com 59,8%.

Analisados os empregos gerados pelo mercado imobiliário, Salvador está entre as capitais do Nordeste que mais geraram emprego com carteira assinada, ficando em segundo lugar.

Leia também:

Presidente da ABIH-BA comenta prorrogação do Proturismo na capital para 2024: "Mais capacidade de investir nos hotéis"