Pular para o conteúdo
Início » Lewandowski diz à oposição que foi obrigado a pedir que Polícia Federal investigasse fake news sobre o RS

Lewandowski diz à oposição que foi obrigado a pedir que Polícia Federal investigasse fake news sobre o RS

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Ministro da Justiça também disse que não fez juízo de valor sobre o conteúdo das denúncias protocoladas por Pimenta

Nesta quinta-feira, (16), o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, recebeu os deputados Eduardo Bolsonaro (PL), a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Caroline de Toni (PL), e o deputado Paulo Bilynskyj (PL). O encontro focou nas denuncias feitas a Polícia Federal sobre as fake news ligadas a trágedia climática no Rio Grande do Sul.

No encontro, que durou cerca de uma hora, Lewandowski disse que não poderia optar por não enviar o ofício que foi feito pelo ministro da Secretaria da Comunicação Social da Presidência (Secom), Paulo Pimenta, para a PF, sob o risco de cometer uma prevaricação. O ministro da Justiça também disse que não fez juízo de valor sobre o conteúdo das denúncias protocoladas por Pimenta.

O ofício de Pimenta foi enviado para Lewandowski na terça-feira (7). No documento, o ministro da Secom denuncia a existência de “narrativas desinformativas e criminosas vinculadas às enchentes e desastres ambientais ocorridos no Estado do Rio Grande do Sul”. A denúncia de Pimenta inclui postagens feitas pelo deputado Eduardo Bolsonaro, o coach e influenciador Pablo Marçal e o senador Cleitinho Azevedo (Republicanos).

O chefe da Secom apontou que o filho do ex-presidente propagou notícias falsas ao ter compartilhado uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo com o título “Após 4 dias de chuvas, governo Lula autoriza envio da Força Nacional para o RS”.

No encontro com Lewandowski, os parlamentares disseram que a postagem de Eduardo Bolsonaro foi uma manifestação da “liberdade de expressão” e ressaltaram que ele possui imunidade parlamentar. Ao Estadão, Paulo Bilynskyj afirmou que os parlamentares foram “bem recebidos” e que a conversa foi “técnica e amistosa”.

Inicialmente, a estratégia dos deputados da oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) era convocar Lewandowski e Pimenta para uma audiência na CCJ da Câmara. Após um acordo com a base governista, os parlamentares decidiram ter uma conversa privada com o chefe da Justiça e aprovaram um convite ao ministro da Secom.A data sugerida para a presença de Pimenta no colegiado é 28 de maio, mas o ministro pode se recusar a comparecer à audiência, caso queira.

O autor do requerimento é Bilynskyj, que deseja ouvir do chefe da Secom “esclarecimentos acerca da abertura de um inquérito para perseguir opositores que denunciaram falhas e abusos do governo federal na tragédia causada pelas chuvas no Rio Grande do Sul, entre outros”.

 

Leia também:

TSE adia o julgamento de Sergio Moro para a próxima semana

CCJ da Câmara convida Paulo Pimenta para explicar inquérito de fake news sobre enchentes no Rio Grande do Sul

PGR pede inclusão de foragidos do 8 de Janeiro na lista de procurados da Interpol

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)