Pular para o conteúdo
Início » Carnes de frango e porco sobem e acompanham a alta do boi

Carnes de frango e porco sobem e acompanham a alta do boi

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)
Acompanhando a alta dos preços da carne de boi, o frango e o porco também estão subindo nas prateleiras dos mercados. Essa alta, a maior em dois anos, foi puxada pelo crescimento das exportações, principalmente para China, que enfrenta um surto de peste suína africana. Em entrevista para o site G1, o presidente da associação que representa os frigoríficos de frangos e suínos (ABPA), Francisco Turra, diz que essa grande procura do mercado externo não era esperada. Ele afirma que não existe risco de desabastecimento no mercado interno, e que, apesar de todos os investimentos feitos no setor, não existe a possibilidade de suprir a grande demanda do mercado asiático. “Nem nós, nem a União Europeia, nem Estados Unidos estamos em condição de atender. No ano passado, a exportação como um todo de carne suína foi de 8,5 milhões de toneladas (no mundo), a perda deles (asiáticos) foi de 14 bilhões de toneladas”, diz Turra. No caso da carne de porco, as vendas brasileiras para o exterior movimentaram US$ 149 milhões em novembro, 42% a mais que no mesmo período do ano passado. Já a carne de frango teve exportadas mais de 59 mil toneladas para a china. Aumento de 61% na comparação com o mesmo mês de 2018.   Tatiana Ribeiro

Acompanhando a alta dos preços da carne de boi, o frango e o porco também estão subindo nas prateleiras dos mercados. Essa alta, a maior em dois anos, foi puxada pelo crescimento das exportações, principalmente para China, que enfrenta um surto de peste suína africana.

Em entrevista para o site G1, o presidente da associação que representa os frigoríficos de frangos e suínos (ABPA), Francisco Turra, diz que essa grande procura do mercado externo não era esperada.

Ele afirma que não existe risco de desabastecimento no mercado interno, e que, apesar de todos os investimentos feitos no setor, não existe a possibilidade de suprir a grande demanda do mercado asiático.

“Nem nós, nem a União Europeia, nem Estados Unidos estamos em condição de atender. No ano passado, a exportação como um todo de carne suína foi de 8,5 milhões de toneladas (no mundo), a perda deles (asiáticos) foi de 14 bilhões de toneladas”, diz Turra.

No caso da carne de porco, as vendas brasileiras para o exterior movimentaram US$ 149 milhões em novembro, 42% a mais que no mesmo período do ano passado.

Já a carne de frango teve exportadas mais de 59 mil toneladas para a china. Aumento de 61% na comparação com o mesmo mês de 2018.

 

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)