header1_bg
Pular para o conteúdo
Início » Filha de Samara Felippo é vítima de racismo em escola de SP; colégio suspende autoras do ato

Filha de Samara Felippo é vítima de racismo em escola de SP; colégio suspende autoras do ato

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Adolescente vítima do ato criminoso é fruto do relacionamento da atriz com o ex-jogador de basquete Leandrinho

A atriz Samara Felippo denunciou um caso de racismo contra uma de suas filhas, de 14 anos, praticado por outras estudantes na escola Vera Cruz, colégio particular na zona oeste de São Paulo. As alunas responsáveis foram suspensas pela instituição de ensino, que diz ter acolhido a vítima e aplicado sanções às duas alunas identificadas como autoras da agressão. 

De acordo com relato feito por Samara em um grupo de pais no Whatsapp, ao qual o Estadão teve acesso, sua filha mais velha teve o caderno furtado, folhas foram arrancadas e, em seguida, ele foi devolvido ao achados e perdidos da escola com uma ofensa de cunho racial escrita em uma das páginas. O caso ocorreu na última segunda-feira (22).

Samara expressou sua indignação com a violência sofrida pela filha: “Ainda estou digerindo tudo e talvez nunca consiga, cada vez que olho o caderno dela ou vejo ela debruçada sobre a mesa refazendo cada página dói na alma. Choro. É um choro muito doído Mas agora estou chorando de indignação também”.

O Vera Cruz reconheceu o caso e enviou um e-mail, obtido pelo Estadão, para os pais dos alunos do 9º ano, série que a filha de Samara está cursando. No comunicado, o coordenador Daniel Helene diz que a menina procurou a professora e a orientadora da série quando se deparou com as ofensas no caderno e foi acolhida.

“Desde o primeiro momento, mantivemos contato constante com a família da aluna vítima dessa agressão racista, assim como permanecemos atentos para que ela não fique demasiadamente exposta e seja vítima de novas agressões. Na circular enviada a todas as famílias no mesmo dia, solicitamos que todos conversassem com seus filhos sobre o ocorrido, e, na terça-feira, dia 23 de abril, duas alunas do 9º ano e suas famílias compareceram à escola, responsabilizando-se pelos atos”, explica o e-mail.

As alunas foram suspensas por tempo indeterminado e tiveram a participação em uma viagem da escola vetada. “Ressaltamos que outras medidas punitivas poderão ser tomadas, se assim julgarmos necessárias após nosso intenso debate educacional, considerando também o combate inequívoco ao racismo”, afirmou o coordenador.

No texto enviado ao grupo de pais, Samara diz que pediu a expulsão das alunas responsáveis e afirma que a escola tem conduta omissa diante de reiterados episódios de preconceito.

“Não é um caso isolado, que isso fique claro!!! Os atos hostis e excludentes vem sendo cada vez mais violentos e reincidentes. (Ela) só queria fazer parte de uma turma e era excluída de trabalhos, grupos, passeios, aceitava qualquer migalha e deboche feito pelas mesmas garotas, e seu nome sempre era jogado em fofocas, ‘disse me disse’ e culpada por atos que não cometia”, afirmou a atriz no grupo de pais.

Samara diz que pode tirar as duas filhas do Vera Cruz e processar o colégio, caso “a escola não se reposicione”. O Estadão tentou contato com a atriz, mas não teve retorno até o momento. O espaço segue aberto.

Procurada pela reportagem, a escola afirmou que, desde o primeiro momento, “reconheceu a gravidade deste ato violento de racismo, nomeando-o como tal, e imediatamente foram realizadas ações de acolhimento ao aluno agredido e sua família”.

Afirmou ainda que, “no dia seguinte ao ocorrido, os agressores se identificaram e se apresentaram à escola, com suas famílias, e diversas medidas foram tomadas, sempre no sentido de acolher o aluno vítima da agressão e sua família, bem como no sentido de garantir que os alunos agressores entendessem a dimensão de seu ato”.

O colégio disse que, “depois de amplo e intenso processo de apuração, foi possível promover um encontro entre os três alunos envolvidos, com mediação da escola” e, em seguida, “os agressores foram informados das sanções definidas inicialmente, dentre elas, uma suspensão por tempo indeterminado”.

Questionada sobre como pretende evitar que novos episódios dessa natureza aconteçam, a instituição disse que busca isso por meio do “enfrentamento direto e por ações educativas, como a ampliação do letramento racial de toda a comunidade”. Destacou que o compromisso do colégio no combate ao racismo, “infelizmente, não impede que agressões indesculpáveis continuem a acontecer”.

A escola afirmou ainda que, desde 2019, desenvolve um projeto para as relações étnico-raciais, “com ações no ambiente escolar de enfrentamento ao racismo estrutural: olhar sobre o currículo escolar, formação continuada, ampliação da diversidade racial entre alunos, professores e gestores, dentre outras”.

 

 

Leia também:

BBB 24: Documentário sobre campeão Davi Brito já tem data de estreia; confira detalhes 

Equipe do Molejo sofre assalto poucas horas após morte de Anderson Leonardo 

Integrantes do Molejo e artistas lamentam morte de Anderson: ‘ícone do pagode’ 

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Política