Pular para o conteúdo
Início » Egito apresenta nova proposta de cessar-fogo entre Hamas e Israel

Egito apresenta nova proposta de cessar-fogo entre Hamas e Israel

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Israel, que ajudou a formular a proposta, segundo autoridades egípcias, se comprometeria a iniciar conversas de longo prazo

O Egito apresentou uma nova proposta de trégua entre Israel e o Hamas que contemplaria a libertação de reféns israelenses e um cessar-fogo inicial de três semanas, numa tentativa de evitar uma ofensiva militar de israelense na cidade de Rafah, no sul de Gaza. Israel.

Segundo autoridades egípcias, se comprometeria a iniciar conversas de longo prazo assim que o Hamas libertar o primeiro grupo de 20 reféns durante a trégua de três semanas, medida destinada a superar a relutância do grupo militante em libertar reféns sem qualquer perspectiva de acabar com a guerra. A medida representa o mais recente esforço dos mediadores para retomar as negociações, que se arrastaram durante cerca de cinco meses sem acordo.

A continuidade dos combates durante esse período colocou os cerca de dois milhões de palestinos que vivem em Gaza em modo de sobrevivência e mais do que duplicou o número de mortos desde a invasão de Israel, para mais de 34 mil, segundo autoridades de saúde palestinas. Os números de mortes do lado palestino não fazem distinção entre combatentes e civis.

Entretanto, em Israel, familiares dos reféns capturados durante o ataque do Hamas, em 7 de outubro, que precipitou a crise, pressionam o governo israelense a fazer mais para descobrir se os seus parentes ainda estão vivos. Nas últimas semanas, as manifestações de rua com o objetivo de convencer o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a dar prioridade à libertação dos cativos se intensificaram.

A pressão interna para que Netanyahu chegue a um acordo está crescendo em Israel, com Benny Gantz, membro do gabinete de guerra de Israel, alertando contra a prioridade de uma operação em Rafah em vez de firmar um acordo sobre os reféns. Além disso, também há pressão de alguns dos membros de direita do governo de coligação.

“Se for realizado um plano responsável para o regresso dos reféns com o apoio de todo o sistema de segurança, o que não implica o fim da guerra, e os ministros que lideraram o governo em 7 de outubro o impedirem, o governo não terá o direito de continuar a existir”, disse Gantz.

Pela proposta egípcia, os reféns israelenses a serem libertados incluiriam crianças, mulheres – incluindo mulheres soldados – e idosos que necessitam de cuidados médicos urgentes. Eles seriam trocados por cerca de 500 palestinos presos em Israel, disseram autoridades egípcias, com a entrega sendo seguida por um cessar-fogo de 10 semanas, durante o qual os dois lados continuariam conversando e pelo menos 300 mil a 400 mil palestinos atualmente buscando refúgio em Rafah poderiam regressar às suas casas em outras partes da Faixa de Gaza. Forças israelenses também se retirariam do corredor que divide Gaza.

Mediadores egípcios e catarianos fizeram várias tentativas para fazer com que Israel e o Hamas concordassem com outro cessar-fogo e acordo de reféns desde que uma trégua de uma semana, em novembro passado, libertou mais de 100 reféns. O governo israelita mostrou-se resistente, pois queria continuar a combater o Hamas, enquanto o grupo militante estava relutante em abdicar da sua única vantagem, libertando os reféns israelitas.

Uma proposta anterior apresentada por mediadores americanos previa que cerca de 40 reféns israelenses deveriam ser libertados ao longo de um cessar-fogo inicial de seis semanas, durante o qual os dois lados também tentariam negociar uma forma de acabar com a guerra.

Em resposta à nova proposta, a liderança política do Hamas disse que consultaria o seu braço militar e outras facções em Gaza e voltaria a contatar os mediadores dentro de alguns dias, disseram as autoridades egípcias. O comando político do Hamas, com sede em Doha, é responsável pelos assuntos do grupo em todo o mundo, incluindo em Gaza, mas as decisões finais são tomadas por Yahya Sinwar, o líder militar do grupo em Gaza. Uma delegação do Hamas é esperada no Cairo na segunda-feira para novas consultas, disseram as autoridades.

Um porta-voz do gabinete do primeiro-ministro israelense não quis comentar a proposta.

 

 

 

Leia também:

Jerônimo entrega duas escolas em tempo integral reformadas em Santo Estêvão 

Bruno Reis entrega novo campo do Areal, na Ribeira 

Mercados de Salvador serão proibidos de ofertar sacolas plásticas 

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)