Pular para o conteúdo
Início » É preciso barrar o machismo que continua matando as mulheres

É preciso barrar o machismo que continua matando as mulheres

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Segundo levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 1.463 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil em 2023

“Eu não podia usar um batom, não podia cortar o cabelo e ainda era espancada. E quando consegui separar ele não aceitou pagar a pensão dos nossos filhos, tive que acionar a justiça”. Este é apenas um dos vários depoimentos que presencio cotidianamente durante os encontros e debates que participo para levar orientações e discutir a violência contra a mulher em diversos espaços da nossa sociedade.

São depoimentos estarrecedores, que continuam a nos impressionar em pleno século 21 e que fazem parte do dia a dia de mulheres Brasil a fora. Situações que avançam e ultrapassam níveis cruéis de violência chegando a assassinatos. Como comprovam as últimas pesquisas do boletim Elas Vivem, da rede de Observatório da Segurança, que apontam que a cada 15 horas uma mulher é vítima de feminicídio no Brasil por companheiros e ex-companheiros.

Outro levantamento, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, apontou que 1.463 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil em 2023, maior índice desde que o crime foi tipificado, em 2015. Houve também aumento de 14,9% nos casos de estupro contra meninas e mulheres, chegando a 34 mil casos. Número que corresponde a uma ocorrência a cada 8 minutos.

Aqui cabe chamar a atenção para a situação das mulheres negras. Elas, que já convivem com o racismo nos diversos âmbitos da sociedade, seja ele institucional ou social, são as maiores vítimas quando o assunto é violência e representam 67,4% das mortes por femicídio no país, conforme pesquisa do IPEA.

 

Para além da violência física, precisamos discutir os danos psicológicos que acometem a vida de mulheres vítimas de violências, que são motivos de doenças e interferem na sua vida como um todo, chegando a prejudicar relações sociais, afetivas e profissionais.

 

O Brasil avançou ao criar a Lei Maria da Penha em 2006 e a Lei do Feminicídio em 2015, com punições rigorosas para os criminosos; com a criação de Casas da Mulher Brasileira, como a inaugurada em Salvador em 2023, mas ainda precisamos conquistar outras garantias que colaborem com a nossa segurança.

E não podemos esquecer que entre elas está a conscientização dos homens e da sociedade em geral para mudar a atitude em relação as mulheres. É preciso abandonar a ideia de que as mulheres são inferiores aos homens e que eles detém poder sobre seus corpos e suas vidas. É necessário construirmos relações de respeito, igualdade, solidariedade e verdadeiro amor entre as pessoas. Somente assim estaremos combatendo pela raiz a violência contra as mulheres.

————————————————————

Aladilce Souza
Enfermeira, professora da UFBa e ex-vereadora de Salvador

———————————————————-

**O conteúdo dos artigos é de responsabilidade dos respectivos autores, não representanto, portanto, a opinião do Portal Muita Informação!

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)