Pular para o conteúdo
Início » Sobe para 157 número de casos da febre Oropouche na Bahia

Sobe para 157 número de casos da febre Oropouche na Bahia

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

De acordo com o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), a doença foi mapeada em 23 cidades da Bahia

Subiu para 157 o número de casos confirmados da Febre do Oropouche na Bahia. Nesta terça-feira (23), foi confirmado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) que a doença foi mapeada em 23 cidades da Bahia. O primeiro caso da doença em Salvador foi confirmado no dia 10 de abril. As informações são do G1 Bahia.

A Secretaria de Saúde (Sesab) não divulgou detalhes sobre o estado de saúde dos pacientes.

A Febre do Oropouche é uma doença viral transmitida pelo Culicoides paraensis, conhecido como maruim ou mosquito-pólvora. Até o momento, não há registros de transmissão direta entre pessoas. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça e dores musculares, semelhantes aos de outras arboviroses como a dengue e a chikungunya.

Não existe tratamento específico para a Febre do Oropouche, sendo o tratamento focado no alívio dos sintomas. Com o aumento no número de casos, a Secretaria da Saúde do Estado intensificou as ações de investigação epidemiológica nas regiões em que houve registros da doença.

Técnicos da Vigilância Epidemiológica estão fazendo a captura do mosquito transmissor para identificar se estão infectados. O objetivo é compreender melhor o cenário da doença na Bahia.

Por meio de nota, a diretora da Vigilância Epidemiológica do Estado, Márcia São Pedro, disse que o poder público está em alerta desde o primeiro caso confirmado.

Ainda de acordo com a especialista, é importante que as pessoas usem roupas compridas e façam uso de repelentes. “Ressaltamos também que não se deve deixar lixo e folhas acumulados, pois a existência destes materiais facilita a reprodução do vetor”, afirma.

Ela ainda destaca que ao aparecer sintomas, deve-se buscar uma unidade de saúde. Não existe tratamento específico para a Febre do Oropouche, é feito o manejo clínico focado no alívio dos sintomas.

 

Leia também:

Infectologista diz que caso de cólera acende alerta e defende que condição fique “no radar dos médicos”

Casos de febre oropouche disparam no Brasil; conheça a doença

Bruno Reis confirma “caso isolado” de cólera em Salvador: “Toda a equipe da saúde mobilizada, acompanhando”

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)