header1_bg
BANNER_728x90___COMBATE_A_DENGUEpx_1
Pular para o conteúdo
Início » Psicóloga destaca a importância de conscientizar a população sobre autismo

Psicóloga destaca a importância de conscientizar a população sobre autismo

2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Transtorno afeta o sistema nervoso, e há grande variação no alcance e na gravidade dos sintomas

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) faz parte dos distúrbios do neurodesenvolvimento caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal com interesses restritos e repetitivos. Normalmente o autismo é identificado na infância, entre 1 ano e meio e 3 anos – algumas vezes, os sinais aparecem nos primeiros meses de vida. Mas não é incomum também que pessoas dentro do espectro sejam diagnosticadas em idade mais avançada.

“O autismo é uma questão social assim como de saúde pública. Com isso, conscientizar a população, buscar políticas públicas e melhorias para as pessoas com TEA e suas famílias é essencial e indispensável”, afirma a psicóloga Bianca Reis.

O Transtorno do Espectro Autista afeta o sistema nervoso, sendo que, o alcance e a gravidade dos sintomas são de grande variabilidade. Nesta terça, 2 de abril, é o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, mas o mês todo é dedicado a discussões sobre o assunto.

A data foi escolhida em 18 de dezembro de 2007 pela Organização das Nações Unidas (ONU), com o objetivo de conscientizar a população acerca da questão e diminuir o preconceito em relação às  pessoas que apresentam o transtorno.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), há atualmente mais de 70 milhões de pessoas com TEA no mundo e mais de 2 milhões no Brasil. Mesmo diante destas estatísticas, o assunto ainda é tabu na sociedade.

“As crianças diagnosticadas com TEA, assim como seus familiares, não se sentem à vontade para falar do assunto abertamente, pois ainda existe discriminação em relação a essa temática”, afirma a psicóloga.

O diagnóstico precoce do autismo é de extrema importância, pois quanto mais cedo os responsáveis entenderem o que ocorre com a criança, mais fácil será a compreensão de sua rotina, necessidades e desafios.

“É indispensável ampliar a visibilidade para essa luta, é preciso acesso às avaliações diagnósticas prévias, intervenções especializadas, políticas públicas e respeito pela diversidade”, continua Bianca Reis.

Legislações importantes

A Li 12.764, de 2012, foi um marco importante e trouxe para a sociedade proteção dos direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Além disso, em 2020, a Lei 13.977 criou a carteira de identificação da pessoa com autismo, mas, ainda assim, essas pessoas são esquecidas ou pseudo aceitas, ficando fora das salas de aula e, quando adultas, do mercado de trabalho.

“O compromisso em acreditar, estimular e inserir com inclusão afetiva (e não apenas aceitação), contextualizada e respeitosa é premissa indispensável para o desenvolvimento das potencialidades individuais, conquista de autonomia e qualidade de vida do paciente com TEA”, conclui a psicóloga Bianca Reis.

 

Leia também:

Espaço terapêutico realiza caminhada pela conscientização do mês do autismo em Lauro de Freitas 

Ação promove inspeção de imóveis abandonados para combate à dengue 

Caminhada e corrida vão encerrar o Março Amarelo em Salvador 

Marcações:
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE

Política