Francisco preside missa do Domingo de Páscoa e pede paz no mundo

"Peço de novo que o acesso de ajuda humanitária em Gaza seja garantido", disse o pontífice

Por Redação
31/03/2024 às 11h40
  • Compartilhe
Foto: Reprodução/Portal G1
Foto: Reprodução/Portal G1

O papa Francisco presidiu as celebrações deste Domingo de Páscoa (31) no Vaticano, diante de cerca de 30 mil fiéis reunidos na Praça São Pedro. Em sua homilia, ele renovou o pedido por paz no mundo e pelo cessar-fogo na Faixa de Gaza.

"Peço de novo que o acesso de ajuda humanitária em Gaza seja garantido e exorto, de novo, a libertação rápida dos reféns sequestrados em 7 de outubro", disse o pontífice. As informações são do Portal G1.

A cerimônia da Páscoa, que marca a data mais importante da Igreja Católica, começou às 10h no horário local (5h em Brasília). O papa chegou em cadeira de rodas ao local. Depois da missa, saudou os fiéis a bordo do Papamóvel, entre acenos e sorrisos. A celebração foi retransmitida para o mundo inteiro.

Ausência na Via-sacra e maratona

Na sexta-feira (29), o pontífice, de 87 anos, cancelou de última hora a presença nas celebrações da Via-sacra, decisão tomada para preservar a sua saúde para o fim de semana carregado de atividades, informou o Vaticano.

No calendário católico de Páscoa, o evento no Coliseu de Roma é uma procissão que reconstitui a morte de Jesus Cristo. Fiéis caminham dentro e ao redor da antiga arena romana, parando para orar e meditar

Na noite de sábado (30), Francisco participou da vigília pascal durante mais de duas horas e pronunciou a homilia sem dificuldades. Ele se manifestou contra as "pedras da morte", "os muros do egoísmo e da indiferença" e "todas as aspirações de paz destruídas pela crueldade do ódio e pela ferocidade da guerra".

O cancelamento de sexta-feira -  que ocorreu instantes antes do início da cerimônia, forçando os organizadores a remover às pressas a cadeira papal - e a comunicação concisa do Vaticano reacenderam os questionamentos sobre a saúde debilitada de Francisco.

Pilar central do calendário católico, a Semana Santa, que envolve várias celebrações que culminam na Páscoa, é uma maratona para o pontífice argentino.

Nos últimos tempos, Francisco tem aparentado cansaço.  Foi forçado, em várias ocasiões, a delegar a leitura de seus discursos, alegando bronquite. No final de fevereiro, ele foi submetido a exames em um hospital de Roma.

Neste mês, ele também abandonou a leitura de sua homilia no Domingo de Ramos, sem explicações.

Apesar de uma grande operação no abdômen em 2023, Francisco, que nunca tira férias, continua a trabalhar em um ritmo frenético no Vaticano, onde pode receber até uma dúzia de interlocutores em uma única manhã.

No entanto, a idade e a saúde precária parecem pesar: ele não viaja desde a visita a Marselha, no sul da França, em setembro passado, e teve que cancelar a ida a Dubai para a COP28, em dezembro, devido à bronquite.

Francisco sempre deixou a 'porta aberta' para uma possível renúncia, seguindo os passos de seu antecessor, Bento XVI. Mas, em uma autobiografia publicada em meados de março, ele reiterou que não tinha nenhum "motivo sério" para renunciar ao cargo, uma "hipótese remota" que só se justificaria no caso de um "impedimento físico grave".

Leia também:

Padre Edson ressalta atuação do papa Francisco em temas tabus para a Igreja Católica