Instituto A Mulherada lança oficinas de percussão gratuitas no Centro Histórico

Projeto "Tambores pelo Fim da Violência" terá ainda rodas de conversa e show musical

Por Redação
24/02/2024 às 12h30
  • Compartilhe
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O Instituto A Mulherada está com inscrições abertas para oficinas gratuitas de percussão e música afro, com o intuito de capacitar jovens mulheres e LGBTQIAPN+ na arte, além de fomentar o debate sobre violência doméstica e empoderamento. As oficinas começam nesta segunda-feira (26), na sede do Instituto, no Centro Histórico, às 17h. Inscrições limitadas.

A iniciativa visa a equidade de gênero, engajando mulheres, lésbicas, bissexuais, transsexuais, travestis e pessoas não-binárias, promovendo a união de diferentes identidades de gênero. Ela integra as ações da 5ª edição do projeto "Tambores pelo Fim da Violência - Tocar Pode Bater Não", nos Territórios Criativos do Centro Histórico de Salvador.

Com o projeto, o Instituto utiliza a música, a arte como instrumentos de conscientização e empoderamento para combater a violência doméstica e familiar contra mulheres, além de promover sua inclusão no mercado de trabalho.

O projeto, que se inicia com as oficinas, ainda prevê a realização de rodas de conversa sobre temas relacionados à violência doméstica, direitos das mulheres, igualdade de gênero e cultura afro-brasileira. Esses espaços proporcionarão diálogos abertos, compartilhamento de histórias e troca de experiências.

No encerramento das ações, a banda A Mulherada, formada por mulheres, apresentará show musical gratuito na cidade com a presença de convidadas. O show reforçará a mensagem do Instituto no combate à violência e o fortalecimento das mulheres, atraindo a atenção da comunidade nessa campanha.

A abrangência do projeto visa unir pessoas que compartilham o compromisso com a causa e tem como o objetivo criar uma rede de apoio poderosa e eficaz para enfrentar as violências. Todas as ações ocorrem no mês de março.

Sobre o Instituto

O Instituto A Mulherada tem por missão lutar pela defesa dos direitos das mulheres vítimas de violência, sem oportunidade de emprego e pela inclusão educacional e profissional.

Criado em 2001, a partir da identificação das demandas e necessidades da população feminina de Salvador, especialmente mulheres negras em situação de vulnerabilidade, o Instituto vem intervindo na realidade do cotidiano, colaborando para que as mulheres rompam com o ciclo do silêncio que se inicia com a submissão e dependência e culmina, muitas vezes, em morte.

Este projeto foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

 

Leia também:

Barragem rompe e deixa cerca de três mil pessoas isoladas no interior da Bahia 

Acidente trava trânsito na entrada do Túnel Américo Simas, sentido Comércio em Salvador 

Filha de traficante morto na Bahia é médica e ostentava nas redes sociais