Serviço especializado oferece atendimento para grupos vulnerabilizados durante o Carnaval da Bahia

Serviços é direcionado às vítimas de crimes de racismo, intolerância religiosa, LGBTfobia, pessoas com deficiência e crianças

Por Redação
13/02/2024 às 07h30
  • Compartilhe
Foto: Fernanda Maia
Foto: Fernanda Maia

Vítimas de crimes de racismo, intolerância religiosa, LGBTfobia, pessoas com deficiência e crianças contam com um serviço de atendimento especializado visando o acolhimento e registro das ocorrências no Carnaval da Bahia. Até a próxima quarta-feira (14), as vítimas podem se dirigir aos postos do Serviço Especializado de Respeito a Grupos Vulnerabilizados e Vítimas de Intolerância e Racismo (SERVVIR), localizados no estacionamento do Shopping Barra, na Ladeira da Montanha, no Passeio Público e na Avenida Milton Santos, em Ondina.

Em cada um dos postos, o SERVVIR conta com uma equipe multiprofissional composta por representantes da Coordenação Especializada de Repressão aos Crimes de Intolerância e Discriminação (Coercid), do Departamento de Proteção à Mulher, Cidadania e Pessoas Vulnerabilizadas (DPMCV), além de outros servidores treinados pela Academia da Polícia (Acadepol). Todas essas unidades desenvolvem ações em rede com órgãos da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial.

"A atuação do SERVVIR é de extrema importância, pois proporciona um ambiente seguro e inclusivo para aqueles que são vítimas de crimes de racismo, intolerância religiosa, LGBTfobia, pessoas com deficiência e crianças. Ao oferecer atendimento especializado e facilitar o registro das ocorrências, o SERVVIR contribui significativamente para a promoção de um Carnaval mais democrático e igualitário", destaca a delegada Patrícia Barreto.

B.O online

Durante o Carnaval, os postos do SERVVIR funcionam 24 horas, mas as vítimas de crimes de intolerância religiosa, racismo, LGBTfobia também podem registrar ocorrências através da Delegacia Virtual (Devir), acessando o site. No portal é possível fazer o registro de mais de 15 tipos de ocorrências a partir de qualquer dispositivo conectado à internet. Para fazer o registro, o cidadão precisa ter cadastro em uma conta no portal do Governo Federal.

 

Leia também:

Reconhecimento Facial localiza 26º foragido da justiça no Carnaval

Sem pistolas d'água, Muquiranas levam irreverência ao circuito Osmar