PF faz operação contra suspeitos de entregar 43 mil armas para facções brasileiras

Mandados estão sendo cumpridos no Brasil, Estados Unidos e Paraguai

Por Redação
05/12/2023 às 09h09
  • Compartilhe
Foto: Investigação internacional
Foto: Investigação internacional

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (5) uma operação contra um grupo suspeito de entregar cerca de 43 mil armas para os chefes das maiores facções do país: Primeiro Comando da Capital e Comando Vermelho, movimentando R$ 1,2 bilhão.

Nesta operação, são cumpridos 25 mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária e 52 mandados de busca e apreensão em três países: Brasil, Estados Unidos e Paraguai, onde está o principal alvo da operação Diego Hernan Dirísio, que ainda não foi encontrado.

Dirísio é considerado pela PF o maior contrabandista de armas da América do Sul. De acordo com o G1, até a última atualização desta reportagem, cinco envolvidos no crime foram presos no Brasil e 11 no Paraguai.

A Justiça da Bahia, que conduz a operação, determinou que os alvos de prisão que estiverem no exterior sejam incluídos na lista vermelha da Interpol e que, se forem presos, sejam extraditados para o Brasil.

A investigação começou em 2020, quando pistolas e munições foram apreendidas no interior da Bahia. As armas estavam com o número de série raspado, mas, por meio de perícia, a PF conseguiu obter as informações e avançar na investigação.

Três anos mais tarde, a cooperação internacional que resultou na operação desta terça indica que um homem argentino, dono de uma empresa chamada IAS, com sede no Paraguai, comprava pistolas, fuzis, rifles, metralhadoras e munições de fabricantes de países como Croácia, Turquia, República Tcheca e Eslovênia.

Segundo a PF, de novembro de 2019 a maio de 2022, a empresa de Dirísio importou 7.720 pistolas de uma fabricante na Croácia, bem como a compra e venda de 2.056 fuzis produzidos na República Techa e mais cinco mil rifles, pistolas e revólveres produzidos na Turquia. 1.200 pistolas também foram importadas de uma fábrica na Eslovênia - um total de 16.669 armas.

Após a compra, as armas eram vendidas para facções brasileiras, em especial de São Paulo e do Rio de Janeiro. O esquema envolvia também doleiros e empresas de fachada no Paraguai e nos EUA.

As investigações indicam ainda que havia corrupção e tráfico de influência na Direccion de Material Belico (DIMABEL), órgão paraguaio responsável por controlar, fiscalizar e liberar o uso de armas, facilitando o funcionamento do esquema.

 

Leia também:

Carro-forte fica destruído após ser explodido em tentativa de roubo no Recôncavo; confira vídeo