Estado quer romper sazonalidade no processo de doação de órgãos

Na Bahia, são mais de 3 mil pessoas à espera por um órgão ou um tecido

Por Redação
04/12/2023 às 14h22
  • Compartilhe
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um evento organizado pela Coordenação Estadual de Transplantes, aconteceu no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), na última sexta-feira (1º), com o objetivo de apresentar os indicadores de 2023, propostas para 2024, além de debaterem ações que possam impulsionar as doações e falar da importância das notificações, dentre outros.

O encontro reuniu profissionais da capital e do interior, que trabalham nos hospitais à frente da captação de órgãos com vistas a ouvirem suas experiências e suas necessidades para que, juntos, possam encontrar soluções.

O médico Eraldo Moura, coordenador estadual de transplantes, destacou que a Bahia tem uma das maiores negativas familiar, variando entre 60 a 70%, a depender do mês, impactando diretamente na vida das pessoas que hoje precisam de um transplante. Na Bahia, são mais de 3 mil pessoas à espera por um órgão ou um tecido.

Carolina Sodré, enfermeira da Central Estadual de Transplantes, explicou os motivos mais alegados para não doar: a pessoa não se declarar doadora em vida, desejo do corpo íntegro, falta de consenso familiar, dentre outros.

Regina Vasconcelos, coordenadora da Central de Transplantes, trouxe os números de transplantes realizados no estado no período de janeiro a novembro de 2023. De acordo com ela, neste período 825 tiveram suas vidas transformadas para melhor com a realização de um transplante, seja ele de córnea, rim, fígado ou coração (reativado recentemente). O número é superior ao ano de 2022, que de janeiro a dezembro realizou 781.

Em 2022 a média mensal de pessoas aguardando por um rim foi de 1.525. Este ano, a média foi superior a 1.650 pacientes, com meses superando 1.800 pessoas na fila, como ocorreu em novembro.

"Por isso este tema tem que estar constantemente em evidência tanto dentro das nossas unidades de saúde, quanto na mídia", destacou Eraldo Moura, coordenador do sistema de transplantes na Bahia.

 

Leia também:

Medico alerta para as altas temperaturas e a possibilidade de epidemia de Dengue, Zika e Chikungunya