Pular para o conteúdo
Início » Retaliação do governo ao impeachment pode afetar 49 deputados de partidos da base

Retaliação do governo ao impeachment pode afetar 49 deputados de partidos da base

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Entre as possíveis sanções estão a perda de indicações a cargos regionais, falta de atendimento nos ministérios e menor repasse de emendas

A reação do governo aos deputados de partidos que compõem a sua base na Câmara e assinaram pedido de impeachment contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode afetar 49 deputados. Entre as possíveis sanções estão a perda de indicações a cargos regionais, falta de atendimento nos ministérios e menor repasse de emendas parlamentares.

Seriam afetados parlamentares de PP, União Brasil, Republicanos, PSD e MDB, siglas que têm ministérios ou fizeram indicações à Esplanada dos Ministérios, e também garantiram indicações em estatais e autarquias.

O pedido de impeachment é de autoria da bolsonarista Carla Zambelli (PL-SP) e tem como motivação declaração de Lula comparando os ataques israelenses na Faixa de Gaza ao Holocausto O requerimento tem 139 assinaturas, com mais cinco adesões após o documento ser protocolado.

O União Brasil teve o maior número de assinantes. 17 dos 59 deputados concordam com o pedido de impeachment de Lula, mesmo com a legenda tendo feito indicações para a diretoria de estatais como a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). O partido ainda tem dois ministérios, com Juscelino Filho (Comunicações) e Celso Sabino (Turismo), além de ter indicado mais um ministro, Waldez Góes (Integração Regional).

O PP é o segundo do ranking. 14 de seus 50 deputados assinaram o requerimento, ainda que a sigla tenha o controle do ministério do Esporte, com André Fufuca, e tenha feito indicações para a presidência e outras vice-presidências da Caixa.

Na terceira posição está o Republicanos, que também fez indicações para vice-presidências da Caixa e para a Esplanada. O partido tem oito adesões ao pedido de impeachment em sua bancada de 40 deputados. O partido indicou Silvio Costa Filho como ministro de Portos e Aeroportos, o que levou Lula e criar mais um ministério para manter Márcio França, do PSB, na Esplanada. Nenhum partido mais à esquerda da base assinou o pedido do impeachment.

PSD e MDB também aderiram ao impeachment. Foram cinco dos 43 parlamentares, no caso do PSD, e também cinco dos 44 congressistas, no caso do MDB.

Ambas as siglas têm três ministérios. Carlos Fávaro (Agricultura), Alexandre Silveira (Minas e Energia) e André de Paula (Pesca) representam o PSD. Do lado do MDB estão Simone Tebet (Planejamento), Jader Filho (Cidades) e Renan Filho (Transporte).

Em sua grande maioria, esses deputados, ainda que sejam de partidos do Centrão que estão com Lula, têm um alinhamento com as pautas do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Agora, como sinalizou o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), podem ser punidos. “Formou-se um consenso entre nós de que é incompatível o parlamentar ser da base do governo, ter relação com o governo e assinar pedido de impeachment”, escreveu Guimarães no X (antigo Twitter). “Isso não é razoável e a minha posição é encaminhar a lista desses parlamentares para que o governo tome providências”.

Confira quais são os parlamentares:

União Brasil – 17 deputados

– Felipe Francischini (União-PR)

– Dr. Fernando Máximo (União-RO)

– Nicoletti (União-RR)

– Rodrigo Valadares (União-SE)

– Alfredo Gaspar (União-AL)

– Coronel Ulysses (União-AC)

– Dayany Bittencourt (União-CE)

– Kim Kataguiri (União-SP)

– Rosângela Moro (União-SP)

– Cristiane Lopes (União-RO)

– Mendonça Filho (União-PE)

– Padovani (União-PR)

– Coronel Assis (União-MT)

– Paulinho Freire (União-RN)

– Maurício Carvalho (União-RO)

– Pastor Diniz (União-RR)

– Dr. Zacharias Calil (União-GO)

PP – 14 deputados

– Marco Brasil (PP-PR)

– Dilceu Sperafico (PP-PR)

– Delegado Fabio Costa (PP-AL)

– Da Vitoria (PP-ES)

– Afonso Hamm (PP-RS)

– Evair Vieira de Melo (PP-ES)

– Covatti Filho (PP-RS)

– Pedro Westphalen (PP-RS)

– Clarissa Tércio (PP-PE)

– Gerlen Diniz (PP-AC)

– Ana Paula Leão (PP-MG)

– Vicentinho Júnior (PP-TO)

– Luiz Ovando (PP-MS)

– Coronel Telhada (PP-SP)

Republicanos – 8 deputados

– Amaro Neto (Republicanos-ES)

– Messias Donato (Republicanos-ES)

– Mariana Carvalho (Republicanos-MA)

– Franciane Bayer (Republicanos-RS)

– Diego Garcia (Republicanos-PR)

– Fred Linhares (Republicanos-DF)

– Roberto Duarte (Republicanos-AC)

– Alex Santana (Republicanos-BA)

PSD – 5 deputados

– Sargento Fahur (PSD-PR)

– Ismael (PSD-SC)

– Darci de Matos (PSD-SC)

– Stefano Aguiar (PSD-MG)

– Reinhold Stephanes (PSD-PR)

MDB – 5 deputados

– Pezenti (MDB-SC)

– Thiago Flores (MDB-RO)

– Delegado Palumbo (MDB-SP)

– Osmar Terra (MDB-RS)

– Lúcio Mosquini (MDB-RO)

 

Leia também:

Lula diz não ter dito “Holocausto” ao criticar Israel: Netanyahu interpretou fala

Rui Costa diz que governo ainda estuda alternativa para corte de R$ 5,6 bilhões em emendas na LOA

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)