Pular para o conteúdo
Início » PGR denuncia Zambelli ao STF por invasão do sistema do CNJ e mandado fake de prisão de Moraes

PGR denuncia Zambelli ao STF por invasão do sistema do CNJ e mandado fake de prisão de Moraes

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Zambelli e hacker haviam sido indiciados por supostos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica

 

A Procuradoria-Geral da República denunciou a deputada Carla Zambelli e o hacker Walter Delgatti no caso da invasão dos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A acusação foi apresentada ao Supremo Tribunal Federal nesta terça-feira (23). Os dois haviam sido indiciados por supostos crimes de invasão de dispositivo informático e falsidade ideológica.

A defesa de Zambelli diz que vai demonstrar que a deputada não praticou as infrações penais pelas quais foi acusada. “Inexiste qualquer prova efetiva que ela tivesse de alguma forma colaborado, instigado e ou incentivado o mitômano Walter Delgati a praticar as ações que praticou”, anotaram os advogados Daniel Bialski, Bruno Borragine, Daniela Woisky e André Bialski.

A reportagem do Estadão pediu manifestação da defesa do hacker. O espaço está aberto para manifestações.

A decisão sobre o eventual recebimento da denúncia caberá ao Plenário do STF, julgamento que ainda não tem data para ocorrer. O ministro Alexandre de Moraes, relator, ainda deverá liberar os autos para que o presidente da Corte, ministro Luís Roberto Barroso, agende uma data para que os ministros se debrucem sobre o caso.

Quando o inquérito foi finalizado, a Polícia Federal destacou que uma série de documentos apreendidos com Zambelli correspondiam a arquivos inseridos por Delgatti no CNJ, o que, para a corporação, mostra que ela participou da invasão. Entre esses arquivos está o mandado de prisão falso em que o ministro Alexandre de Moraes teria determinado sua própria prisão.

Em depoimento, Delgatti sustentou que teria recebido R$ 40 mil de Zambelli para invadir sistemas do Judiciário. A conclusão da Polícia Federal, no entanto, foi no sentido de que as transferências feitas ao hacker teriam ocorrido para a compra de garrafas de uísque, revendidas por ‘Vermelho’ ao assessor da bolsonarista.

A fase ostensiva da investigação, batizada 3FA, foi aberta em agosto, com a prisão de Delgatti e a realização de buscas em endereços de Zambelli. Em oitiva antes da deflagração da Operação, o hacker chegou a citar o ex-presidente Jair Bolsonaro narrando um encontro no Palácio do Alvorada.

COM A PALAVRA, A DEFESA DA DEPUTADA

A defesa da Deputada Carla Zambelli recebeu com surpresa o oferecimento da denúncia em seu desfavor, já que inexiste qualquer prova efetiva que ela tivesse de alguma forma colaborado, instigado e ou incentivado o mitômano Walter Delgati a praticar as ações que praticou. A narrativa dele acusando a Deputada e terceiras pessoas foi desmentida pela própria investigação, e a defesa irá exercer sua amplitude para demonstrar que ela não praticou as infrações penais pelas quais foi acusada.

Leia também: 

Bruno diz que se preocupa com sua avaliação e não de Lula e Jerônimo em Salvador

Dirigentes nacional e estadual do Cidadania articulam apoio com Carlos Muniz para eleições municipais de Salvador

Bancada do PT na Câmara se reúne com Moisés Rocha e fortalece nome dele para vice de Geraldo Júnior

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)