header1_bg
BANNER_728x90___COMBATE_A_DENGUEpx_1
Pular para o conteúdo
Início » Mourão exalta golpe militar de 1964: “Nação se salvou a si mesma”

Mourão exalta golpe militar de 1964: “Nação se salvou a si mesma”

2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Investida militar derrubou o então presidente João Goulart, o Jango, e cassou o mandato de políticos contrários ao novo regime

Ex-vice-presidente da República, o senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) exaltou neste domingo (31), o golpe de Estado que mergulhou o País numa ditadura militar entre 1964 e 1985. “A história não se apaga e nem se reescreve, em 31 de março de 1964 a Nação se salvou a si mesma”, escreveu o parlamentar sobre a investida militar que derrubou o então presidente João Goulart, o Jango, e cassou o mandato de políticos contrários ao novo regime.

General da reserva do Exército brasileiro, Mourão presidiu o Clube Militar em 2018. Fundada em 1887, a associação reúne altos oficiais das Forças Armadas, divulgando anualmente uma nota em defesa ao golpe de 1964. No texto deste ano, a instituição elogiou a atuação do general presidente Humberto Castello Branco e de seus sucessores após “as Forças Armadas empreenderam o Movimento Cívico-Militar de 31 de Março”.

Setores das Forças Armadas costumam justificar o que chamam de “Revolução de 1964” como um freio a supostas ameaças de um iminente golpe comunista no Brasil naquela época. A versão não é amparada por fatos.

“Os golpistas vitoriosos tiveram amplas condições de investigar o governo deposto por meio de inúmeros inquéritos arbitrários e não acharam planos golpistas”, explicou em uma entrevista ao Estadão o historiador Carlos Fico, professor titular de História do Brasil da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Movimentos contrários ao golpe de 1964 costumam usar o dia 1º de abril para marcar o aniversário do evento, enquanto que aqueles favoráveis ao movimento usam o 31 de março.

Historiadores esclareceram ao Estadão que a disputa pela data é sobretudo política, com opositores ao golpe buscando vinculá-lo ao Dia da Mentira e defensores tentando refutar esse rótulo. Na prática, porém, a ação que depôs Jango começou em 31 de março e terminou na madrugada de 2 de abril.

Censura, tortura e assassinato de opositores ao regime militar marcaram a ditadura brasileira. Depois de 60 anos do golpe, familiares de vítimas do Estado ainda buscam respostas sobre o desaparecimento de seus entes queridos.

Entre os dias 28 e 31 de março, o Estadão publicou uma série de reportagens especiais sobre o golpe militar. O material traz depoimentos e documentos inéditos que retratam o País nas décadas anteriores ao golpe de 64 e nos anos que se sucederam.

 

Leia também:

Para 63%, data do golpe de 1964 deve ser desprezada, aponta Datafolha

Caminhada em São Paulo homenageia vítimas da ditadura neste domingo

Bancada do PT na Câmara condena 64 após Lula vetar atos do governo sobre o golpe

2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE

Política