header1_bg
Pular para o conteúdo
Início » CASO MARIELLE: ‘Procurador-geral não vê “indícios mínimos” de Bolsonaro e filho

CASO MARIELLE: ‘Procurador-geral não vê “indícios mínimos” de Bolsonaro e filho

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Augusto Aras pediu ao STF, na sexta-feira (29), que rejeite uma queixa-crime apresentada contra Jair e Carlos

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou sobre às investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco, que não vê indício de crime no fato de o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, Jair Messias Bolsonaro, ter acessado áudios do sistema interno do condomínio onde moram. O mesmo de um dos suspeitos do crime, o policial militar reformado Ronnie Lessa. Segundo informações do jornal O Globo, Augusto pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF), na sexta-feira (29), que rejeite uma queixa-crime apresentada contra o presidente, por obstrução de justiça em relação às investigações.

Foi apresentado ao procurador-geral, no inícia de novembro pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), um pedido para investigação do presidente e de Carlos Bolsonaro e solicitava busca e apreensão na residência de ambos. Augusto se manifestou pelo pedido e disse, ainda segundo informações do jornal O Globo, que a ABI não trouxe indícios mínimos da ocorrência de ilícito criminal. “O fato de um condômino ter o eventual acesso a cópias dos áudios da portaria do local onde reside consiste em mero exercício de direito, na medida em que possui o domínio ou posse – embora não exclusivamente – sobre os bens de uso comum”, afirmou Aras. Que também falou que os arquivos de áudio acessado por Carlos eram cópias de material já entregue às autoridades. Caberá agora ao relator do caso no STF, ministro Alexandre de Moraes, decidir se acata ou não o posicionamento de Aras.

Entenda o caso

Carlos Bolsonaro acessou os áudios do condomínio após vir a público pelo Jornal Nacional a notícia de que um dos porteiros do edifício ter afirmado em dois depoimentos à justiça que no dia do assassinato da vereadora, 14 de março de 2018, o outro suspeito do crime, o ex-policial militar Élcio Queiroz, informou que iria à casa de Bolsonaro ao entrar no edifício.

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Política