header1_bg
1__BANNER_728x90
BANNER_728x90___APP_ALBA_1_2
BANNER_728x90___APP_ALBA_1_2
BANNER_CAPITAL_728x90___SAO_JOAO_2024
BANNER_728x90___BRT_LAPA
BANNER_728x90___E_LAURO__E_TRABALHO
1__BANNER_728x90
Pular para o conteúdo
Início » Advogado diz que mensagens com empresário enquadrado por tapa no filho de Moraes foram violadas

Advogado diz que mensagens com empresário enquadrado por tapa no filho de Moraes foram violadas

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

São 11 páginas que descrevem trocas de mensagens entre família de Roberto Mantovani e defesa, inclusive com prints das conversas

A defesa do empresário Roberto Mantovani, enquadrado pela Polícia Federal (PF) por agredir o filho do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no aeroporto de Roma, em julho de 2023, se insurgiu contra o relatório final da investigação. Mais especificamente, contra o trecho que se refere a conversas trocadas com seu advogado.

O documento, produzido em dezembro do ano passado, foi apresentado nesta semana ao STF junto às conclusões da PF. É um relatório da perícia feita nos celulares apreendidos com o empresário e sua família. A Polícia Federal dedica uma seção ao que chama de “tratativas de Roberto com seu advogado”. São 11 páginas que descrevem trocas de mensagens entre a família e a defesa, inclusive com prints das conversas.

O criminalista Ralph Tortima, que representa os Mantovani, reivindica que o material seja removido do processo. O argumento é que conversas entre advogados e clientes são invioláveis. “Evidentemente protegidas por sigilo.”

No relatório da perícia, a PF destaca que o advogado orientou a família a não falar com a imprensa e pediu um relato completo do entrevero no aeroporto, com a sugestão de que a descrição fosse enviada de outro celular. Em outro trecho do documento, a Polícia Federal expõe o rascunho, enviado pelo advogado, das versões que deveriam ser dadas pela família em depoimento. A PF afirma que elas “vieram a ser declaradas por eles em sede policial”.

Esta não é a primeira queda de braço da defesa em torno das provas do inquérito. Tortima também insiste para ter uma cópia do vídeo das câmeras de segurança do aeroporto, obtido pela PF junto a autoridades italianas. Por enquanto, as filmagens só estão disponíveis para a defesa assistir, mas o ministro Dias Toffoli, relator do caso, proibiu a extração de cópias. O STF decide, até a próxima sexta, 23, se mantém ou não a decisão do ministro.

No relatório final da investigação, a Polícia Federal concluiu que o empresário Roberto Mantovani cometeu o crime de “injúria real” – emprego de violência ou vias de fato para ofender a dignidade ou o decoro de alguém. A PF decidiu não indiciá-lo porque o crime tem menor potencial ofensivo. Isso não significa que ele foi inocentado. A PGR ainda precisa decidir se é o caso de denúncia.

 

Leia também:

STF começa a decidir na sexta se mantém sigilo sobre vídeo de hostilidades a Moraes em Roma

PGR critica ‘privilégios’ e pede ao STF fim de sigilo em vídeo de hostilidades a Moraes em Roma

Hostilidades a Moraes: defesa de bolsonaristas quer perícia própria e pede cópia de filmagens

Marcações:

Política