Pular para o conteúdo
Início » ONG denuncia ‘aparente crime de guerra’ em ataque de Israel que matou 106 civis

ONG denuncia ‘aparente crime de guerra’ em ataque de Israel que matou 106 civis

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Ao menos 350 pessoas estavam no prédio quando foi bombardeado por Israel, no dia 31 de outubro

A Human Rights Watch (HRW) acusou Israel, nesta quinta-feira (4), de ter cometido um “aparente crime de guerra” em um ataque realizado em outubro, contra um prédio residencial, que deixou 106 civis mortos, incluindo 54 crianças. Segundo a ONG, “não havia nenhum alvo militar” no edifício, o que tornaria o ataque ilegal pelo direito internacional.

Ao menos 350 pessoas estavam no prédio quando foi bombardeado por Israel, no dia 31 de outubro, segundo testemunhas. O edifício de seis andares estava localizado no campo de deslocados de Nuseirat, no centro de Gaza. Esse ataque foi um dos mais mortais para civis desde o início da ofensiva militar israelense, em 7 de outubro, lançada em resposta ao ataque do grupo terrorista Hamas contra o seu território.

“A Human Rights Watch não encontrou nenhuma evidência de um alvo militar nas proximidades do prédio no momento do ataque israelense, o que torna o ataque ilegalmente indiscriminado de acordo com as leis de guerra. As autoridades israelenses não forneceram nenhuma justificativa para o ataque”, diz o comunicado da HRW.

A investigação também concluiu que nenhuma das testemunhas entrevistadas recebeu algum tipo de aviso das autoridades israelenses para sair do prédio antes do ataque. Quatro projéteis foram lançados contra o edifício em um intervalo de 10 segundos, que deixaram a construção totalmente destruída.

A investigação da HRW foi realizada por entrevistas telefônicas com 16 pessoas, análise de imagens de satélite e de 35 fotos e 45 vídeos.

O Exército de Israel não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários da AFP. De acordo com a ONG, as autoridades israelenses não responderam a uma carta da Human Rights Watch de 13 de março resumindo as descobertas e solicitando informações específicas.

Leia também:

Biden pede cessar-fogo imediato em Gaza durante ligação com Netanyahu

Líder do grupo terrorista Jihad Islâmica promete vitória contra Israel em Gaza

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)