Pular para o conteúdo
Início » Sem acordo com empresários, rodoviários rejeitam nova proposta de reajuste e podem entrar em greve

Sem acordo com empresários, rodoviários rejeitam nova proposta de reajuste e podem entrar em greve

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Pauta da categoria possui 42 reivindicações, entre elas, aumento salarial e reajuste no auxílio alimentação

A décima rodada de negociações entre o Sindicato dos Rodoviários e empresários do transporte público de Salvador, terminou mais uma vez sem acordo, nesta terça-feira (14).

Segundo os rodoviários, a proposta de aumento oferecida pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps), que era 1,13% foi atualizada para 1,24%, o que não foi aceita pela categoria.

“Não tivemos avanço nenhum. Vamos ter uma reunião da diretoria hoje à tarde, certamente diretoria deve deliberar a comissão para correr os trâmites legais para uma possível greve. Vamos buscar também o diálogo com a Superintendencia Regional do Trabalho, com o Ministério Público do Trabalho, para que a gente busque uma saída para evitar uma greve”, afirmou Fábio Primo, presidente em exercício do Sindicato dos Rodoviários, em entrevista ao Portal M!, na manhã desta quarta-feira (15).

A pauta dos rodoviários possui 42 reivindicações, entre elas, aumento salarial de 4%, e 10% de reajuste no auxílio alimentação. Além disso, a categoria exige integração no transporte, criação de um aplicativo para controlar as horas extras e a organização nas escalas de serviço.

Ao Portal M!, o prefeito Bruno Reis (UB), destacou, na terça-feira (14), que as pautas apresentadas pelos rodoviários são justas, porém, é necessário uma conversa para que não haja prejuízos.

“É justo o reajuste e os pleitos [… ] que discutam, vão para mesa e chegue ao entendimento, mas sem penalizar a população, sem prejudicar os moradores, o cidadão que fica sem o transporte, e depois sem prejudicar a si próprios. Por que as paralisações e greves podem impactar no fechamento de alguma empresa, e quando a empresa fecha, ela pode não ter condições de retornar”, disse o gestor municipal.

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)