Pular para o conteúdo
Início » Ministro diz que fará na segunda-feira reunião sobre linhas de financiamento para o RS

Ministro diz que fará na segunda-feira reunião sobre linhas de financiamento para o RS

banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)

Paulo Pimenta se encontrará com empresários, representantes do Ministério do Trabalho, da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil

O ministro Paulo Pimenta, designado pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para coordenar as ações federais em resposta às enchentes no Rio Grande do Sul, disse neste domingo, 2, que fará uma reunião na segunda-feira, 3, à noite com empresários e representantes do Ministério do Trabalho, da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil para falar sobre as linhas de financiamento que estão sendo oferecidas às empresas.

“Completamos agora 30 dias (do início da tragédia no Estado), muitas empresas não abriram durante todo o mês de maio. São empresas que ainda estão sem água, sem luz, sem nenhuma capacidade de trabalho, e têm que pagar folha, têm as despesas mensais. Nós temos que construir uma alternativa para a saúde financeira das empresas e para a manutenção dos postos de trabalho”, afirmou o ministro em coletiva de imprensa realizada em Muçum (RS) após visita a municípios do Vale do Taquari.

O governo federal já anunciou linhas de crédito que atendem empresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões que foram atingidas pelas enchentes no Estado.

De acordo com Pimenta, os primeiros contratos com a Caixa e BB já foram assinados. “Tivemos um resultado muito expressivo, foram mais de mil contratos assinados, com seis meses de carência, 30 meses para pagar e juros zero”.

Na última quarta, o Ministério da Fazenda anunciou uma nova linha de financiamento de R$15 bilhões, via Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), para as empresas do Rio Grande do Sul.

O governo diz já ter disponibilizado R$ 62,5 bilhões ao Estado, por meio de um crédito extraordinário, e R$ 23 bilhões com a suspensão da dívida do Estado por três anos e a isenção de juros sobre o total.

Leia também 

Economistas dizem que impacto do RS sobre PIB vai aparecer nos dados do 2º trimestre

Marcações:
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
banner_portal_noticias__1_Milhao_de_Amigos_osid___1140x130px
2__BANNER_1140x130___CUIDANDO_DE_VOCE (1)