Pular para o conteúdo
Início » SMS descarta surto de norovírus, mas especialistas alertam para a prevenção

SMS descarta surto de norovírus, mas especialistas alertam para a prevenção

Diagnóstico da infecção só é possível através de testes laboratoriais, devido à semelhança dos seus sintomas com os de outras viroses gastrointestinais

Salvador vivencia um aumento nos relatos de infecções por norovírus, que causa gastroenterite aguda e vem assustando a população. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) afirmou, no entanto, que não há motivo para alarde. O órgão garante que não há surto de norovírus na cidade, mas  reforçou a necessidade de medidas preventivas simples, como a higienização das mãos e o uso de máscaras, especialmente em períodos de baixa temperatura, que favorecem a disseminação de vírus e bactérias.

A SMS está oferecendo atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) para casos de gastroenterite. Segundo o órgão, tem sido observada uma queda no número de atendimentos nos últimos dias. Já a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) diz que recebeu, entre abril e  maio deste ano, 97 amostras para testagem e, destas, 12 tiveram resultado positivo para o norovírus.

A médica Ana Verena Mendes, coordenadora de Infectologia do Hospital São Rafael/Rede D’Or, explicou ao Portal M! que o norovírus pertence à família Caliciviridae e é um causador comum de gastroenterite aguda. Seus sintomas incluem calafrios, febre baixa, dor abdominal e diarreia leve.

“O norovírus têm uma incidência tanto em adultos quanto em crianças, e tem como transmissão principal as mãos contaminadas, por não [ter] higiene adequada. Eles são transmitidos de contato a contato, de ser humano a ser humano, e têm altíssima transmissibilidade nessa via, mesmo como paciente já ou ainda assintomático”, detalhou.

A infectologista destacou que a transmissão do norovírus ocorre principalmente pela via orofecal. Mesmo após a melhora dos sintomas, uma pessoa pode continuar a transmitir o vírus por até duas semanas. Por isso, ela enfatizou a importância da higienização das mãos e dos alimentos para prevenir a disseminação do vírus.

“É fazer higienização adequada dos alimentos com água e hipoclorito, além da lavagem frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel a 70%”, pontuou.

Ana Verena aconselha ainda buscar atendimento médico em casos de gastroenterite aguda, especialmente se houver febre, cólicas abdominais ou muitos episódios de diarreia, que podem levar à desidratação.

A diferenciação entre infecções por norovírus e outras viroses só pode ser feita através de exames laboratoriais, especificamente testes de fezes. O norovírus geralmente não causa sintomas graves como diarreia intensa ou desidratação severa, mas isso pode ocorrer em alguns casos.

“É muito importante ficar atento, porque às vezes em crianças e idosos, nos extremos de idade, os sinais de desidratação são indiretos, vem a alteração do nível de consciência, mais sonolência, febre, diminuição da diurese. Em termos de tratamento, o mais importante é a hidratação oral, o uso de antieméticos para conseguir se hidratar e medicação para febre e cólica”, finalizou.

Gúbio Soares, virologista da UFBA, informou em entrevista ao Portal M! que realizou testes em 15 amostras aleatórias e alertou para o risco elevado de infecção pelo norovírus, destacando a transmissão através de alimentos mal lavados e mãos sujas.

“O vírus é transmitido através de alimentos mal lavados, a mão suja, entendeu? Você viaja de ônibus, não lava a mão quando chega em casa e tudo isso aumenta a transmissão na cidade de Salvador”, ponderou.

Dicas de prevenção

As medidas listadadas abaixo são essenciais para interromper o ciclo de transmissão e reduzir o risco de infecção pelo norovírus.

.    Lavar as mãos com água e sabão ou solução antisséptica
.    Beber água tratada de embalagens lacradas ou de fonte segura
.    Evitar adicionar gelo de procedência desconhecida às bebidas
.    Verificar a embalagem de alimentos para garantir a integridade e a validade
.    Evitar praias consideradas impróprias para banho
.    Não consumir água do mar, especialmente protegendo crianças e idosos, que são mais vulneráveis

 

Leia também:

Norovírus: condição que causa vômito e diarreia tem alta de casos em Salvador 

Marcações: