Pular para o conteúdo
Início » Festejos juninos aumentam preocupação com doenças alérgicas e respiratórias

Festejos juninos aumentam preocupação com doenças alérgicas e respiratórias

Período coincide com o início do Inverno que facilita propagação de vírus

Mesmo sem prometer um frio rigoroso na Bahia, o inverno está a caminho. Este período coincide com os festejos de São João, que reúnem grandes aglomerações e ainda espalham no ambiente muita fumaça, fuligem e produtos químicos com cheiros fortes derivados da queima de fogos de artifícios. Essa combinação pede atenção redobrada para quem tem doenças alérgicas e respiratórias.

Segundo o otorrinolaringologista André Apenburg as constantes inversões climáticas pelas quais o soteropolitano passa nesta época do ano, com temperaturas um pouco mais baixas, podem desencadear crises de rinite não alérgica, de origem vasomotora, pois esta forma da doença está relacionada com a mudança brusca de temperatura que altera a contração dos vasos sanguíneos do nariz.

“A rinite consiste numa inflamação da mucosa nasal, podendo acontecer nas formas aguda, crônica, infecciosa e alérgica (mais comum e geralmente desencadeada pelo contato com poeira, pólen, fungos, ácaros, pelos de cães e gatos, dentre outros). A obstrução nasal, coriza, espirros seguidos, coceira no nariz, na garganta, nos olhos e nos ouvidos são os sintomas mais típicos e desconfortáveis”, afirma André Apenburg. Segundo ele, seja de origem alérgica ou vasomotora, a rinite acontece com mais frequência nesta época por haver maior alternância de temperatura e por se tratar de um período com maior circulação de vírus respiratórios.

O especialista também faz alguns alertas. “No inverno, nem sempre o fator viral está presente. O clima mais frio também pode favorecer problemas respiratórios, quando, por exemplo, a gente pega uma roupa ou cobertor que não foram bem armazenados e estão cheios de ácaros, que vão deflagrar crises de rinite alérgica. São comuns também os episódios desencadeados diretamente pela baixa temperatura de forma reflexa, como o caso daqueles que entram em um local com ar-condicionado e começam a espirrar”, explica.

Conforme o médico, os antialérgicos são bastante eficazes no tratamento das rinites, mas como as pessoas alérgicas geralmente apresentam sintomas diários e frequentes, não é recomendado tomar medicação todos os dias.

Existem outras estratégias que podem melhorar o controle da doença, como a imunoterapia, conhecida como a vacina da alergia, que consiste em ensinar o corpo a parar de reagir de forma exagerada contra a substância que a provoca, o chamado gatilho. Este tratamento pode ocorrer de forma sublingual ou por via subcutânea injetável.

Dicas para evitar crises de rinite:

· As principais recomendações feitas pelo médico para evitar complicações de resfriados e gripes envolvem a ingestão de líquidos, boa alimentação, repouso e tratamento medicamentoso para alívio dos sintomas.

· Para as pessoas alérgicas, outros cuidados se fazem necessários, como manter o ambiente limpo e arejado, não usar espanador, passar pano úmido no chão e superfícies de contato, descartar produto de limpeza com cheiro forte, usar capas antialérgicas em colchões e travesseiros e guardar as roupas que não vão ser usadas armazenadas em sacos a vácuos.

· Uma alternativa para quem não tem como fazer o fechamento a vácuo é guardar as peças em uma sacola, fechar bem e quando for usar as roupas, lavar na máquina em temperatura acima de 60ºC ou passar a ferro quente.

· Em regiões da Bahia onde o clima pode ficar mais seco o uso do umidificador é recomendado, mas é preciso tomar cuidado para não exagerar no uso porque isso pode facilitar a proliferação de ácaros e fungos, de acordo com o especialista.

Leia também:

Brasil se aproxima de 6 milhões de casos e 4 mil mortes por dengue

Projeto de lei prioriza atendimento psicológico no SUS para mulheres após aborto ou perda neonatal
Freepik