Haddad destaca 'ineditismo' do Desenrola e diz que 7 mi de brasileiros quitaram dívidas

Ao lado de Lula, ministro da Fazenda participou do 'Conversa com o presidente' desta terça

Por Estadão Conteúdo
21/11/2023 às 12h16
  • Compartilhe
Foto: Reprodução/Instagram
Foto: Reprodução/Instagram

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que o governo federal estava preocupado com o "ineditismo" do programa Desenrola Brasil, de refinanciamento de dívidas de pessoas físicas. Segundo o ministro, até o momento, foram 7 milhões de brasileiros que conseguiram quitar as dívidas a partir do programa. 

"Todos nós estamos muito preocupados com o ineditismo, nunca tinha sido tentado nada parecido", declarou o ministro ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante transmissão semanal ao vivo nas redes sociais, denominada de Conversa com o presidente, nesta terça-feira (21). "Foi uma ousadia do presidente Lula ter colocado no programa de governo e não se tinha tecnologia, ela foi desenvolvida ao longo do primeiro semestre."

Haddad reforçou que o desconto médio no Desenrola é de 83% e pode chegar a 99% em alguns casos. Segundo ele, do total de dívidas de R$ 100, R$ 10 milhões foram cancelados. "Tudo somado, 7 milhões de brasileiros", calculou. "O potencial do programa, teoricamente, podemos chegar a R$ 30 bilhões."

"A grande vantagem é que quando aceita pagar dívida, o nome fica limpo", comentou o ministro. Em relação à nova fase do programa, Haddad afirmou que, pela dívida ser maior e desconto grande, o valor descontado em reais será muito maior. 

Lula afirmou que o governo quer que os bancos permitam que os brasileiros tenham nas agências "um amigo para desenrolar a vida dele". Segundo o chefe do Executivo, além da preocupação com as pessoas, o Desenrola também pensa no desenvolvimento da economia "Quando todos começam a comprar, as coisas começam a melhorar".

 

Leia também:

Governo promove Mutirão Desenrola na próxima quarta para incentivar renegociações de dívidas

Lula sanciona sem vetos PL do Desenrola com limitação no rotativo

Votação de ajuda financeira do ICMS continua sem previsão, diz Haddad