Vixe! Uma vice do Republicanos. A guerra perdida pelo PT. O Novo sem candidato na Bahia e as vantagens de Jerônimo, Neto e Roma na disputa 

Toda quarta temos novidades da política, do mundo empresarial, jurídico e das artes pra que você entenda melhor "como a roda gira" nos bastidores

Por Osvaldo Lyra e equipe
11/05/2022 às 08h47
  • Compartilhe
Foto: Haron Ribeiro
Foto: Haron Ribeiro

Novo sem candidato na Bahia 
O cientista político Felipe D'Avila, pré-candidato do partido Novo à presidência da República, disse essa semana que a sigla não vai lançar candidato ao governo da Bahia na eleição deste ano. De acordo com ele, a meta do partido é lançar candidatos competitivos para a Câmara dos Deputados, na tentativa de eleger um ou até dois federais. "Estamos trabalhando para ter uma nominata muito boa na Bahia, porque seria um grande orgulho para o partido Novo eleger pelo menos um federal pelo estado".
 

Felipe D'Ávila


Amoedo de fora 
O pré-candidato do partido Novo disse ainda que o criador da sigla, João Amoêdo, não está participando da construção da sua candidatura ao Planalto esse ano. "Infelizmente, o Amoêdo ficou afastado do partido depois que ele decidiu abandonar a candidatura presidencial. Eu mesmo conversei com ele algumas vezes, depois de o meu nome ser escolhido, mas ele está afastado", disse D'Avila, ao explicar que o ex-dirigente escolheu, "por vontade própria, se afastar desse processo eleitoral dentro do próprio partido".

 

O desânimo dos petistas 
Aliado de primeira hora do pré-candidato ao governo do União Brasil, ACM Neto, o prefeito de Xique-Xique, Reinaldo Braga Filho, é um dos maiores entusiastas da candidatura do aliado político. Volta e meia, Reinaldinho trava debates acalorados com petistas no grupo Celebridades Políticas, do experiente jornalista Ramon Magiolli, do site Informe Baiano. Ontem mesmo, o emedebista, que se desgarrou da orientação dos irmãos Geddel e Lúcio Vieira Lima e decidiu continuar ao lado de Neto, disse que os "PTistas desanimaram" na Bahia e aproveitou para disparar um questionamento: "Como Lula pode ajudar Jerônimo, se não conseguir pelo menos 65% dos votos na Bahia?", questionou. Para emendar: "Ninguém transfere 100%. Quem transferir 75% já está fazendo muito", completou.

Reinaldo Braga Filho

Uma vice republicana 
Até mesmo dentro do Republicanos começa a crescer a tese de que uma mulher deve ocupar a vaga de vice de ACM Neto, apesar de estarem no páreo o presidente do partido, bispo Marcio Marinho, e o deputado federal Marcelo Nilo. No entanto, pessoas próximas ao candidato do União Brasil dizem que o desenho ideal seria com Neto para o governo, Cacá Leão no Senado e uma republicana na vice. O detalhe é que três mulheres podem vir a compor a chapa majoritária do ex-prefeito de Salvador pela sigla. Uma delas é a vereadora Ireuda Silva, mulher, negra e combativa, com um trabalho grande voltado para mulheres em risco de vulnerabilidade social. 

Ireuda Silva

Opções do partido 
Outro nome do Republicanos é o da vereadora de Serrinha, Edylene Ferreira, presidente licenciada da União dos Vereadores da Bahia (UVB). E uma terceira republicana citada é a ex-vereadora Rogéria Santos, ligada à cúpula do partido, que deve disputar uma vaga na Câmara Federal, mas pode mudar os planos para compor a majoritária.

Rogéria Santos

Representante do interior 
No sábado, a presidente licenciada da União dos Vereadores da Bahia (UVB) acompanhou o ex-prefeito ACM Neto na agenda de campanha na região sisaleira e disse que tinha propriedade para falar em nome dos vereadores "por conhecer todas as 417 cidades do estado". Edylene disse ainda que pode atuar como interlocutora dos legisladores junto ao governo da Bahia. 

Edylene Ferreira

Feito histórico
Um experiente observador da cena política da Bahia disse ao portal M! que uma eventual vitória do ex-prefeito ACM Neto na eleição deste ano pode criar um fato inédito, sem precedentes no estado. Isso porque o ex-prefeito de Salvador quer vencer a eleição sem o alinhamento com nenhuma candidatura à presidência da República, o que contraria o ocorrido desde a redemocratização até aqui, onde a disputa nacional puxa, ou no mínimo, embala a eleição local. "Não há registro histórico dessa movimentação", pontuou, ao lembrar que até mesmo na eleição do ex-governador Waldir Pires a vitória só se concretizou devido ao fato de ele ter atuado como ministro do então presidente José Sarney. 

ACM Neto

Augusto levou a melhor 
O vereador de Salvador Augusto Vasconcelos disse ontem que seu nome foi escolhido pelo partido para ocupar a vaga de suplente do senador Otto Alencar, candidato do PSD à reeleição para o Senado. De acordo com o comunista, seu nome ganhou apoios dentro e fora do partido e agora só aguarda o ok da cúpula petista para ser efetivado na retaguarda da majoritária. Por mais que digam que não, além dele, quem parece ter gostado mais ainda dessa indicação foram os deputados Daniel Almeida e Alice Portugal, ambos candidatos à reeleição, que poderiam perder o mandato em Brasília, já que a expectativa era que Vasconcelos entrasse forte para a disputa da Câmara Federal.  

Augusto Vasconcelos

As vantagens de Roma 
Num papo com outros dois observadores da cena política nacional, avaliamos ontem os cenários para os principais candidatos ao governo baiano. Pesa positivamente a favor do deputado federal João Roma, do PL, o fato de ter atuado como ministro da Cidadania e possuir alinhamento direto com o presidente Jair Bolsonaro. Habilidoso e com capacidade gerencial comprovada, Roma pode crescer no rastro do seu padrinho político.

Jair Bolsonaro e João Roma

Propostas de governo
Os mais otimistas dizem que ele pode ter uma votação próxima à do presidente da República. Já outros mais realistas dizem que ele terá cerca de 15%, podendo ser importante para levar a disputa para o 2º turno na Bahia. "O eleitor do presidente quer alguém pra votar para o governo do estado. Com isso, Roma vai crescer junto com Bolsonaro na Bahia, ficando com o mesmo índice do presidente", projetou um deles, ao falar que as propostas de governo também serão importantes para alavancar o nome do ex-ministro. 

João Roma

Jerônimo e os puxadores de voto 
Ao analisar a situação do pré-candidato do PT ao governo, Jerônimo Rodrigues, o mesmo observador disse que o petista tem potencial pra crescer e tem como cabo eleitoral dois bons puxadores de votos: o ex-presidente Lula, que lidera as pesquisas na Bahia, e o governador Rui Costa, que tem um governo bem avaliado. No entanto.... pesam negativamente os baixos índices na área da educação, pasta que comandava no governo atual, além da dificuldade que o ex-presidente terá para transferir votos, já que Lula não está com 70% como em outras eleições. "Aliado a isso, tem ainda o cansaço do Partido dos Trabalhadores, que está há quase 16 anos no poder no estado", enfatizou.

Lula e Jerônimo

Capacidade gerencial 
Já o líder nas pesquisas de intenção de voto, ACM Neto, tem a seu favor o fato de ser conhecido do grande público, vir de uma família tradicional da política baiana e ter comprovada capacidade gerencial como prefeito de Salvador. No entanto, outro observador político diz que Neto terá dificuldade para avançar, pois ele já chegou no teto. Tese essa rebatida por aliados do União Brasil, que apostam ainda na vitória de Neto já no primeiro turno. A conferir. 

ACM Neto e Bruno Reis

A insegurança e os governos  
E por falar em ACM Neto, ele voltou a criticar ontem a condução da segurança pública na Bahia após a onda de violência nos últimos dias, em especial no final de semana, com a morte de três policiais e os arrastões em restaurantes da Pituba, em Salvador. Em entrevista ao programa Nova Manhã, da rádio Nova Brasil FM, Neto afirmou que "essa realidade só vai mudar se o PT sair do poder na Bahia". Ele reafirmou ainda a necessidade de investimentos no setor, como o aumento do efetivo policial e investimentos em tecnologia, o que deixou a desejar em 16 anos de gestões petistas. A expectativa, inclusive, é que a questão da segurança pública seja umas principais pautas da campanha que se avizinha. 

Guerra perdida pelo PT 
"Os quatro governos do PT na Bahia perderam essa guerra. Estão derrotados pelo crime organizado. E o que fazer? Antes de tudo, mudar a forma como enfrentaram o problema ao longo desses 16 anos. Passaram esse tempo todo procurando culpados e desculpas, transferindo a responsabilidade. Só sabem dizer 'ah, é um problema nacional'. Qual é, meu amigo? Chega de justificativa. É um problema nacional, mas temos muitos estados do Brasil reduzindo a violência, botando bandido na cadeia", disparou Neto contra o atual governador Rui Costa. 

Rui Costa

Crime organizado 
O pré-candidato apontou ainda que, em muitos bairros das grandes cidades baianas, a exemplo de Salvador, a polícia sequer pode entrar, pois o crime está mais organizado e aparelhado do que a força do estado. "Você vai para o interior e a realidade não é diferente, 293 municípios da Bahia hoje têm apenas dois policiais, que trabalham em esquema de revezamento. Muitos não têm nem delegado titular, com a viatura parada na porta, porque não têm combustível para abastecer", afirmou.