Fila de visto para Estados Unidos cresce e não há data para entrevista até dezembro de 2022

País anunciou a reabertura das fronteiras a partir de 8 de novembro

Por Redação
22/10/2021 às 21h00
  • Compartilhe
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A marcação de entrevistas para obter o visto americano, necessário para fazer uma viagem aos Estados Unidos, está sem datas disponíveis até dezembro de 2022. A retenção ocorre devido ao fechamento dos consulados americanos no Brasil em virtude da pandemia de Covid-19.

Apesar da reabertura das fronteiras do país a partir de 8 de novembro, os consulados enfrentam dificuldades para dar conta da demanda. A Embaixada americana afirma que no próximo mês os vistos voltarão a ser emitidos, mas não informou novas datas para entrevistas.

Antes da pandemia, a espera entre o agendamento e a entrevista, necessária no processo de obter o visto, durava, em média, 15 dias. Agora, quem deseja viajar ao país e precisa obter ou renovar o documento precisa aguardar até um ano e dois meses. 

A Embaixada americana disse trabalhar "para retomar os serviços rotineiros de vistos de forma segura o mais rápido possível". Mas, conforme o órgão, a crise sanitária e a restrição de viagens "ainda impactam no número de vistos processados em nossa embaixada e consulados".

 

Demanda crescente

Desde que os Estados Unidos anunciaram a intenção de reabrir as fronteiras para viajantes estrangeiros, o número de brasileiros interessados em viajar ao país cresceu 400%, segundo agências de viagens. 

Magda Nassar, presidente da Associação Brasileira de Agência de Viagens (Abav), afirmou que as empresas têm se reunido com os consulados para criar um plano que diminua a retenção. Ela acredita que os consulados vão facilitar pelo menos o processo de quem busca renovar o visto.

"O interesse maior é do destino, para receber consumidores, então acreditamos que eles devem facilitar esse processo para alterar o fluxo", pontuou.

Em 2019, 2,1 milhões de brasileiros foram aos Estados Unidos, de acordo com o relatório do Departamento Nacional de Viagens e Turismo americano. Trata-se do segundo destino internacional mais procurado no Brasil, perdendo apenas para a Argentina. 

 

* Com informações do Estadão.