ACM Neto diz que vai trabalhar para evitar a polarização entre Lula e Bolsonaro em 2022

A ideia da sigla é colocar uma terceira via

Por Jones Araújo
09/10/2021 às 09h24
  • Compartilhe
Foto: Reprodução/CNN
Foto: Reprodução/CNN

O presidente nacional do Democratas, ACM Neto, secretário-geral do partido União Brasil, fruto da fusão com o PSL, afirma que a nova legenda terá como uma das prioridades atuar para evitar que o segundo turno seja entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A ideia do União Brasil é criar uma terceira via. ACM disse que a nova sigla já tem três pré-candidatos: Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde (DEM); o apresentador José Luiz Datena (PSL); e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Mas, caso seja inviável o plano e um segundo turno, entre Lula e Bolsonaro não seja evitado, o político não descarta a possibilidade de conversar com os partidos.

"Vamos deixar de conversar com outros partidos? Não. Não vamos. Ao contrário. A gente quer ampliar este diálogo", disse em entrevista à Folha.

Eu acho que nenhum candidato novo, para quebrar a polarização, vai ser realmente viável antes de setembro do ano que vem porque nenhum deles tem o recall, a base de já ter sido testado nas urnas, como Bolsonaro e Lula.

E os partidos que tiverem interesse em uma alternativa para o Brasil vão ter de acreditar, apostar e trabalhar na construção disso", pontua Neto.

Evitando definir o partido como de direita, Neto diz que a legenda prega a defesa da democracia e as liberdades individuais e que será um partido "sem dono".