Natalia Pasternak e Cláudio Maierovitch são ouvidos na CPI da Covid

Pesquisadora da USP e o presidente da Fiocruz são defensores da vacina e de medidas restritivas

Por Flávio Gomes
11/06/2021 às 11h16
  • Compartilhe
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A microbiologista Natalia Pasternak, pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), e o médico sanitarista Cláudio Maierovitch, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), prestam depoimentos, na condição de convidados, na CPI da Covid no Senado, nesta sexta-feira (11).

Primeira a falar na CPI, a PhD foi convidada a partir de requerimentos aprovados apresentados pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), e pelo vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Na abertura do depoimento, Natalia mostrou estudos que afirmam que a cloroquina não funciona.

"Já testamos em tudo, em macacos, em humanos e não funciona, Só não testamos em emas, porque elas fugiram", desdenhou.

A microbiologista afirmou ainda que "é uma mentira orquestrada pelo governo federal e pelo Ministério da Saúde. Esse negacionismo da ciência mata".

Já o médico Maierovitch comentou que a estratégia de lockdown adotada pelo Reino Unido é em "dos grandes exemplos de enfrentamento da pandemia".

Maierovitch disse ainda que o Brasil tem o SUS e tinha outras condições para responder à emergência de saúde pública, atingindo toda a população. "No entanto o país não conseguiu dar resposta à crise".

Tanto a pesquisadora, quanto o médico sanitaristas ainda serão sabatinados pelos senadores da Comissão.