Dr. Furlan derrota irmão de Alcolumbre e é o prefeito eleito de Macapá

De virada, candidato do Cidadania venceu Josiel, do Democratas, com 55,73% dos votos válidos conta 44,2% do adversário

Por Redação
20/12/2020 às 18h31
  • Compartilhe
Foto: Reprodução/Carta Capital
Foto: Reprodução/Carta Capital

Dr. Furlan (Cidadania), 47 anos, venceu Josiel Alcolumbre (DEM), irmão do senador Davi Alcolumbre (DEM), e será o novo prefeito de Macapá.

Com 99,29% das urnas apuradas, Furlan teve 55,73% dos votos válidos (100.474), enquanto Josiel conquistou 44,27% (79.816). Votos brancos e nulos somaram 2,02% (3.871) e 4,00% (7.674), respectivamente.

A capital amapaense foi a única do país que adiou as eleições municipais e teve o primeiro turno no último dia 6. O adiamento se deu devido ao apagão que atingiu quase todo o estado do Amapá no dia 3 de novembro.

Adversários de Josiel, inclusive o vencedor das eleições, criticaram a decisão de postergar a disputa porque ela só teria ocorrido após a queda do candidato do DEM em pesquisas de intenção de voto, perdendo a vantagem conquistada antes do blecaute.

Também houve reclamações porque apenas a capital teve eleição feita mais para a frente, apesar de o apagão ter atingido 14 dos 16 municípios do estado.

Dr. Furlan ganhou de virada, já que havia ficado em segundo lugar no primeiro turno, com 16,03% dos votos válidos, contra 29,47% de Josiel.

Ele é médico cardiologista e, desde 2010, é deputado estadual, atualmente pelo Cidadania, mas foi eleito pelo PTB, partido do qual saiu em fevereiro de 2019.

Furlan tem um patrimônio declarado de R$ 2.305.027,62. A vice é Monica Penha, do MDB, que tem 39 anos. Os dois integram a coligação "De coração por Macapá", formada por Cidadania, MDB e PMN. 

 

Apagão provocou caos

No dia 3 de novembro, 14 dos 16 municípios do Amapá ficaram sem fornecimento de energia depois que um incêndio destruiu os transformadores de uma subestação de distribuição. O apagão causou escassez de alimentos e impediu o fornecimento de água, dificultando também os cuidados sanitários contra o coronavírus.

A população ficou dias sem qualquer fornecimento de energia, que foi retomado de forma parcial, com rodízio e protestos por diversas cidades. No dia 18 de novembro, houve um segundo blecaute.

 

* Com informações do Portal UOL