Maia cobra "posição clara" do governo sobre Reforma Tributária e pede urgência

Presidente da Câmara também critica o fato de não saber qual é o projeto que o Planalto vai defender no Congresso

Por Jones Araújo
30/11/2020 às 23h30
  • Compartilhe
Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Uma posição mais clara do Governo Federal sobre a Reforma Tribuntária foi cobrada, nesta segunda-feira (30), pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele enfatizou a urgência da reforma.

Para Maia, o Executivo errou ao não tratar dos temas que considera prioritários durante o período eleitoral e ao não retomá-los agora, depois do segundo turno.

"O governo deveria ter começado o dia com uma coletiva para falar qual é a pauta em que se tem interesse para os próximos dois meses. É inevitável que o Congresso trabalhe em janeiro", admitiu o deputado, em entrevista ao Portal UOL.

"O governo não quis enfrentar esses desafios durante o processo eleitoral. Acho que foi um equívoco. Senti falta de uma posição mais clara e objetiva [sobre as pautas econômicas]", completou.

Maia também criticou o fato de não saber qual é projeto de Reforma Tributária que o Planalto vai defender no Congresso. Segundo o presidente da Câmara,  esse posicionamento é importante para que deputados e senadores comecem a discutir o tema, como aconteceu com a Reforma da Previdência.

"Está todo mundo esperando para saber qual será a política fiscal daqui para frente", cobrou Maia, acrescentando que os próximos dois ou três meses é que vão definir não apenas o futuro próximo do país, mas também a eleição de 2022.

"Acho que o que foi construído desde 2016 gerou as condições para as taxas de juros chegarem onde chegaram, mas [isso] precisa ser reafirmado ou não. É isso que a gente precisa saber por parte do governo. Lembrando que a partir de janeiro não teremos a emenda da PEC [Proposta de Emenda a Constituição] da Guerra, que flexibilizava as regras de ouro. A partir de janeiro, tudo isso volta a valer, e qualquer decisão do governo terá uma complexidade diferente do que teve até agora", finalizou.

 

* Com informações do Portal UOL.