Pular para o conteúdo
Início » Ministro pedirá demissão de diretor da Conab por leilão de arroz

Ministro pedirá demissão de diretor da Conab por leilão de arroz

Ministro pedirá demissão de diretor da Conab por leilão de arroz
Conselho de Administração da empresa pública terá reunião extraordinária para avaliar saída

O ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, vai pedir a exoneração do diretor executivo de Operações e Abastecimento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Thiago José dos Santos. A informação foi revelada pela colunista Andreza Matais, do UOL, e confirmada ao Broadcast Agro (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) pela assessoria de imprensa da pasta. A diretoria de Santos é a responsável pela operacionalização e pelo edital do leilão de compra pública de arroz importado anulado pelo governo federal após suspeitas de irregularidades.

A demissão será enviada por Teixeira ao Conselho de Administração (Consad) da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O colegiado é responsável pelas deliberações quanto à diretoria-executiva da empresa pública. O colegiado tende a se reunir de maneira extraordinária para avaliar a saída já que seu próximo encontro mensal estava previsto somente para 25 de julho

Os próximos passos de encaminhamento do pedido de demissão de Santos ao Consad devem ser definidos na segunda-feira pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA). A pasta compartilha a gestão da Conab com o Ministério da Agricultura, sendo a área de operações e abastecimento de responsabilidade do MDA. 

Santos estava em licença remunerada até a última sexta-feira (21). O afastamento era aconselhado pela Casa Civil e por órgãos de controle do governo e cobrado pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Isso porque ele é ligado a um dos empresários que intermediaram o maior volume de lotes arrematados no leilão anulado, Robson Luiz de Almeida França, presidente da Bolsa de Mercadorias de Mato Grosso (BMT) e sócio-proprietário da Foco Corretora.

A Controladoria Geral da União (CGU) apura suspeitas de conflito de interesse, tráfico de influência e favorecimento no leilão. Como mostrou o Broadcast, a proximidade de Santos com França chegou até os órgãos de controle do Executivo. Além de terem atuado conjuntamente como assessores parlamentares do ex-deputado federal Neri Geller, Santos e França são próximos. 

Até o dia 10 de junho, havia fotos dos ex-assessores juntos nas redes sociais. Também chegou à Advocacia Geral da União (AGU) e à CGU a informação de que, já no cargo de diretor, Santos recebeu França pelo menos duas vezes na sede da Conab no ano passado, o que aumentou a suspeita de tráfico de influência pelos órgãos. 

Santos foi indicado para o cargo por Geller, exonerado da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura também pela repercussão do leilão e pela conexão com França.

Leia também:

Governo financiará áreas produtivas de outros Estados, diz Lula sobre arroz

Ministro diz que novo leilão de arroz deve acontecer em até 10 dias

Mortes por enchentes no Rio Grande do Sul chegam a 177

Joédson Alves/Agência Brasil