Pular para o conteúdo
Início » Osid conta com Serviço de Oncologia de ponta associado a legado da primeira santa brasileira

Osid conta com Serviço de Oncologia de ponta associado a legado da primeira santa brasileira

Obras Sociais Irmã Dulce oferece acolhimento especial ao paciente

Inauguradas a partir da vontade do “Anjo Bom da Bahia”, as Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) nasceram em 26 de maio de 1959. A instituição teve início no coração de sua fundadora, a Santa Dulce dos Pobre e oferece serviços gratuitos de saúde para grupos em vulnerabilidade social.

Depois de percorrer mais de uma década em busca de um local para abrigar os pobres e doentes recolhidos das ruas de Salvador, Irmã Dulce encontrou, em um galinheiro, situado ao lado do Convento Santo Antônio, um espaço para cuidar de 70 doentes em situação de vulnerabilidade.

Na atualidade, o complexo, que ainda mantém a área do galinheiro, como símbolo de respeito à religiosa que o fundou, tem mais de três milhões de pessoas acolhidas por ano na Bahia, realiza 5,6 milhões de procedimentos ambulatoriais por ano, oferece 1,2 milhões de refeições por ano aos pacientes e realiza 49 mil internamentos anualmente.

A entidade filantrópica abriga um dos maiores complexos de saúde 100% gratuito do Brasil, aberto para usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), idosos, pessoas com deficiência e com deformidades craniofaciais, pessoas em situação de rua, usuários de substâncias psicoativas e crianças e adolescentes em situação de risco social.

No total, são 21 núcleos que prestam assistência à população de baixa renda, entre eles estão: o Hospital Santo Antônio, o Centro Geriátrico, o Hospital da Criança, a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia, o Centro de Acolhimento à Pessoa com Deficiência, o Centro Especializado em Reabilitação e o Centro de Acolhimento e Tratamento de Alcoolistas. Além de tudo isso, no município de Simões Filho, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), funciona o Centro Educacional Santo Antônio.

A unidade atende, em parceria com as Secretarias de Educação do Estado e do Município, 940 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, oferecendo ensino em tempo integral do primeiro ao nono ano.

Tratamento humanitário

A líder da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) da Osid, Vivyana Passos, é uma das pessoas que fazem a instituição funcionar. Farmacêutica de formação, com 17 anos de doação às obras e sete à frente desse serviço, a profissional carrega no brilho dos olhos o carinho que nutre pela organização.

Vivyana Passos é líder da Unidade de Alta Complexidade em Oncologia da OSID

“Na oncologia é inconcebível o tratamento em si sem o fator humano e sem o afeto, o amar e servir. Particularmente, os pacientes e suas famílias, no primeiro momento do diagnóstico oncológico, eles chegam numa situação muito delicada, que precisa que a equipe tenha o preparo mesmo, emocional, empático, que faça com que eles se sintam seguros, acolhidos e amados”, disse ao Portal M!.

Segundo a líder da Unacon, o tratamento oncológico precisar ser integral e humanitário, incluindo um amparo assistencial multidisciplinar, com toda uma equipe de saúde: médico, serviço social, enfermagem, farmácia, nutrição, fisioterapia, dentre outros.

“A gente tem que acompanhar, pegar na mão mesmo desse doente, desde o momento do diagnóstico até o tratamento clínico ou cirúrgico. O tratamento clínico, ele envolve a quimioterapia e a radioterapia, em alguns casos, a gente ainda tem os leitos de internamento, que é uma retaguarda desse tratamento ambulatorial que a gente tem. Então, se o paciente tiver qualquer necessidade, ele tem o leito pra se internar e tratar aquela intercorrência. A gente ainda tem uma unidade, que é um pronto atendimento para esse paciente oncológico”, detalhou.

Uma das beneficiadas por este serviço oncológico é Pinúcia, uma mulher de 59 anos, que há oito anos vem se tratando, está fazendo quimioterapia pela quarta vez e, atualmente, tem um câncer em metástase no fígado.

“A gente passa por alguns processos de quimioterapia, mas eu estou continuando, não desisto. Vou lutar enquanto for possível. A minha família está sempre comigo, minhas filhas estão sempre comigo, me dando força para que eu não desista. Outra coisa boa também é que eu tenho um médico maravilhoso e ele sempre me encoraja na questão de que, enquanto tiver possibilidade de um tratamento, com certeza eu estarei fazendo. Não vou desistir!”, relatou ao Portal M!, emocionada, ao lado da filha.

Você também pode ajudar

Para manter viva esta obra grande e com tantos braços, a instituição conta com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) e de convênios com organismos estatais, além de doações e arrecadações através da venda de produtos. Dentro do complexo localizado no Largo de Roma, na Cidade Baixa, em Salvador, existe uma panificadora, um café e uma loja de souvenirs da Santa Dulce dos Pobres. Todo o lucro das vendas obtido nesses espaços é revertido para a manutenção das obras.

O Memorial Santa Dulce dos Pobres, também instalado no local, não cobra, dos seus visitantes, um valor de entrada, mas abre espaço para que estes doem a quantia que desejarem. A atração funciona como um museu no qual a história da primeira santa brasileira é detalhada. Além de objetos que pertenceram a ela, o acervo também aborda fatos inusitados sobre a trajetória árdua de Dulce.

Para doar, acesse doe.irmadulce.org,br e conheça as várias formas e contribuição para a manutenção desse trabalho de amor, força e fé.