Pular para o conteúdo
Início » PF deflagra operação Voo Livre em combate ao tráfico de animais na Bahia

PF deflagra operação Voo Livre em combate ao tráfico de animais na Bahia

Com apoio da Coppa e Cetas, foram cumpridos nove mandatos de busca e apreensão em Salvador e RMS

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (5), a operação Voo Livre, para cumprir nove mandados de busca e apreensão em combate ao tráfico ilegal de animais em Salvador e na Região Metropolitana. A investigação teve início com a apreensão de uma arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus), que estava sendo comercializada, com anilha falsa, junto a outras aves da fauna silvestre nacional. A ação contou com o apoio da Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (Coppa) e do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), onde os animais aprendidos foram encaminhados.

No decorrer da apuração da PF, foi identificada a existência de uma associação criminosa entre comerciantes de aves ilegais, da fauna silvestre e exótica, que negociam animais de difícil reprodução em cativeiro, como araras e tucanos, o que indica que muitos tenham sido retirados ainda filhotes da natureza, para anilhamento, criação e revenda. O tráfico de animais silvestres causa enorme prejuízo à fauna brasileira, criando graves desequilíbrios ambientais, inclusive em ecossistemas protegidos, podendo expor determinadas espécies ao risco de extinção. Desta forma, a criação de animais silvestres somente é permitida, quando adquiridos de criadores comerciais registrados no Ibama, que possuam Cadastro Técnico Federal (CFT) e autorização no Sistema Nacional de Gestão de Fauna (SisFauna).

Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 17ª Vara Federal da Seção Judiciária da Bahia. Os investigados pela comercialização dos animais irão responder pelos crimes de tráfico e maus-tratos de animais (arts. 29, §1 º, III e 32 da Lei nº. 9.605/98), associação criminosa (art.288 do Código Penal), receptação (art.180 do Código Penal) e falsificação de selo ou sinal público (art. 296, §1°, III do Código Penal). As penas, somadas, podem chegar a 15 (quinze) anos de reclusão. 

 

Leia também:

PGR envia pedido de apuração de tráfico de arara-azul-de-lear ao MPF na Bahia

Em 60 dias, 220 animais silvestres foram resgatados pela Coppa 

Animais silvestres são resgatados em operação policial no norte da Bahia

Marcações: